História

Socialismo, o que é? História, origem, principais divisões e características

Socialismo é uma corrente de pensamento político desenvolvida no século XVIII, baseada na vertente da igualdade entre as classes sociais.

Atualizado em 25/01/2020

Durante a história da humanidade diversas ideologias se desenvolveram no intuito de melhorar as práticas políticas e a relação com a sociedade. Uma dessas doutrinas políticas está o socialismo, desenvolvido no século XVIII. Assim, elaborado em meio à Primeira Revolução Industrial, o pensamento político visava, principalmente, a igualdade entre as classes sociais.

Dentre as principais ideias podemos destacar a divisão igualitária de bens e propriedades, além de uma sociedade sem classes. Ou seja, o modelo político propõe que não haja a divisão entre pessoas com ou menos dinheiro. Nesse sentido, a separação entre riqueza e pobreza deixa de existir.

Além disso, outros pontos que o socialismo leva em consideração estão relacionados à extinção da propriedade privada, bem como da economia controlada pelo Estado. A classe operária ganha, dentro do socialismo, força para tomada de poder.

História do Socialismo

Durante o século XVIII a Europa se encontrava imersa em grandes transformações. O capitalismo comercial, que surgiu logo após o enfraquecimento do feudalismo, dava lugar para outra forma de economia. Por consequência, nascia o capitalismo industrial. Isso porque, os processos de produções estavam especificamente voltados para as fábricas.

Todas as mudanças na forma de produção econômica refletia instantaneamente na sociedade. Isso porque, a produção que antes se concentrava no meio rural, deixa de existir. Os produtores rurais passam a procurar o meio urbano para trabalhar nas fábricas que cresciam sem parar. Por esta razão, as cidades cresciam de forma acelerada, sem preparação prévia.

Socialismo, o que é? História, origem, principais divisões e características
Fonte: Nasional

Com isso, as primeiras divisões de classe já podiam ser observadas. Ou seja, existia grande quantidade de mão-de-obra dos trabalhadores que vinham da zona rural. A burguesia possuía as fábricas e o trabalho. Dessa forma, o proletariado, sem condições comparados à classe burguesa, era obrigado a sobreviver em lugares afastados dos grandes centros urbanos.

As condições oferecidas aos trabalhadores eram extremas. Isso porque, eram expostos à jornadas absurdas de trabalho. Além disso, a idade não era empecilho para as tarefas nas fábricas. Assim, crianças e idosos também eram obrigados à prestar serviços. No final de tudo, ainda recebiam baixos salários e condições inaceitáveis de trabalho.

Dessa forma, foi durante o cenário precário em que a classe operária se encontrava que as primeiras ideias socialistas surgiram, vindas de intelectuais da época. Em síntese, os primeiros estudiosos que pensaram na forma igualitária de trabalho foram Saint-Simon, Charles Fourier e Robert Owen, criando o socialismo utópico. Posteriormente, outros intelectuais como Friedrich Engels e Karl Marx, continuaram com o desenvolvimento dos ideais socialistas, criando o socialismo científico.

Socialismo Utópico

Logo no início do desenvolvimento socialista estava a ideia do socialismo utópico. O principal teórico a elaborar os conceitos dessa corrente de pensamento foi o filósofo e economista francês Claude-Henri de Rouvroy. O filósofo também era conhecido como Conde de Saint-Simon.

O economista acreditava que para que houvesse melhoria em relação à classe operária, os burgueses necessitam aderir, também, à essas melhorias. Ou seja, era necessário oferecer condições plausíveis para que o avanço industrial e científico fosse possível à todas as classes sociais, sem divisões.

Socialismo, o que é? História, origem, principais divisões e características
Saint-Simon foi filósofo e economista francês, um dos fundadores do socialismo moderno e teórico do socialismo utópico. Fonte: La Croix

Diferente de outros intelectuais socialistas, Claude-Henri de Rouvroy não acreditava que acabar com a propriedade privada ou a economia planificada fosse a solução. Pelo contrário, ele defendia que o Estado tivesse liberdade de interferir na economia. Além disso, era defensor do “tripé de dominação social”, tendo o clero, a nobreza e os militares como formadores da sociedade.

O socialismo utópico também foi elaborado por outro teórico, o socialista Charles Fourier. O estudioso acreditava que era possível desenvolver comunidades independentes mesmo que o capitalismo ainda fosse o sistema político dominante. A ideia era que essas comunidades fossem construídas afastadas dos grandes centros. Assim, por mais que existisse diferenciação de classe, a desigualdade não seria exorbitante. Dessa forma, existiria o incentivo à indústria e o desenvolvimento à partir do trabalho.

Outro teórico socialista foi Robert Owen que, da mesma maneira que pensou Fourier, também idealizou comunidades. Porém, as comunidades pensadas por Owen se baseavam na total igualdade entre as classes tendo a idade como a única divisora social. Além disso, Owen conseguiu que suas ideias fossem colocadas em práticas, enquanto que os conceitos desenvolvidos por Fourier ficaram só no imaginário.

Funcionalidades

As comunidades desenvolvidas por Owen visavam a carga horária baixa e bons salários. Entretanto, após brigas entre sócios de indústrias, as comunidades começaram a se enfraquecer chegando ao fim.

Socialismo, o que é? História, origem, principais divisões e características
Teórico socialista Robert Owen. Fonte: Wikipedia

De fato, o socialismo utópico acreditava que a industrialização era o caminho para o crescimento social e econômico. Assim, tinham em mente que acabar com o capitalismo não era a forma mais viável para que uma sociedade fosse igual e justa.

As ideias criadas por Saint-Simon, Charles Fourier e Robert Owen eram idealizações de uma sociedade e, por esta razão, o termo socialismo utópico surgiu. Entretanto, filósofos como Karl Marx criticaram o que foi desenvolvido no socialismo utópico porque, de acordo com ele, os socialistas utópicos não mostraram os caminhos para que as ideias fossem executadas.

Socialismo Científico

O socialismo científico tem como principais pensadores os filósofos  Friedrich Engels e Karl Marx.  Por conta disso, o movimento também é conhecido como marxismo. Assim, desenvolvido no século XIX, essa corrente socialista emergiu após profundo estudo sobre o capitalismo.

Como resultado, Friedrich Engels e Karl Marx constataram que a história da humanidade esteve pautada pelas lutas de classes em que há uma relação explícita entre um grupo que oprime e um grupo que é oprimido. Dessa forma, a principal característica que distingue esses dois grupos é a propriedade privada e a mão-de-obra, respectivamente.

Socialismo, o que é? História, origem, principais divisões e características
Teórico socialista Karl Marx. Fonte: Medium

Em síntese, o socialismo científico acredita que o capitalismo pode ser destruído pela classe operária. Ou seja, a revolução seria a maneira pela qual Marx acreditava que a exploração do homem pelo homem chegaria ao fim. Nesse sentido, a classe operária seria a única capaz de acabar com as divisões sociais, chegando assim à igualdade. Além disso, a revolução seria o primeiro passo da transição do socialismo para o comunismo.

Por fim, diferente do que defendia o socialismo utópico, os socialistas científicos eram adeptos da socialização dos meios de produção. Além disso, queriam a extinção da sociedade privada e da economia controlada pelo Estado.

O que achou da matéria? Se gosta do assunto, então corre pra conferir o que é Liberalismo.

Fontes: Mundo Educação, Politize e Toda Matéria

Fonte imagem destaque: YouTube

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.