História

Czar – O que é, origem, ascensão e queda dos czares

Durante a monarquia russa, o imperador recebia o título de czar, assim como toda a sua família. Conheça a história do termo e os principais czares da Rússia.

Atualizado em 31/05/2020

O termo Czar, (pronuncia tzar) foi usado por muito tempo como um título de alto escalão na época da monarquia russa. Portanto, durante os anos em que a Rússia viveu sob o comando de uma família real, o imperador recebia o título de czar. Sendo assim, a imperatriz era chamada de czarina, e ao invés de príncipe, havia o czaréviche, e a princesa, era chamada de czarevna.

Dessa forma, os czares comandaram o país por quase quatro séculos. O primeiro imperador que recebeu o título de czar foi Ivan IV em 1546, e o último foi Nicolau II, que foi executado ao lado de sua família pelos bolcheviques, em 1917.

Por isso, hoje iremos conhecer mais sobre a origem do título czar e a história dos czares. Vamos lá!

Origem do termo czar

O nome “czar” ou “tzar”, assim como o termo alemão kaiser, é originário da palavra latina Caesar. Em referência ao nome da família de Júlio César, o general militar, líder e ditador da República Romana.

Isso, devido a importância da dinastia de imperadores iniciada por Otaviano Augusto, no mundo Ocidental. A partir disso, o nome “césar” era considerado muito mais do que apenas um nome, mas sim, um título político, dado aquele que tinha os poderes do governo. Ou seja, um líder, imperador, ou rei.

Caio Julio Cesar, ditador da Republica Romana.
Fonte: Prof William

Diferença entre czar e tzar

Contudo, apesar dos dois termos significarem a mesma coisa, o simbolismo por trás deles pode ser um pouco diferente. Em alguns lugares do mundo, pode ser apenas uma diferença na grafia ou pronuncia, mas de fato significam a mesma coisa.

Apesar disso, a palavra tzar é originária do título latino para imperados romanos, como César. Assim, os russo se referiam ao imperador bizantino de “tzar”. Contudo, eles não usavam o mesmo termo quando falavam dos monarcas estrangeiros, portanto, eles eram chamados apenas de reis, rainhas, imperadores, marajás e outros.

Mas em 1721, Pedro I da Rússia, mudou o título de imperador, para o qual ele e seus herdeiros passaram a ser chamados. Com isso, houve uma nova designação para além do termo tsar, já usado. Desse modo, em correspondência diplomática, passou-se a chamá-los por “tzar”, “imperador”, e “keyser”.

Para muitos, a melhor forma é usar o “tsar”, justamente por ser mais próxima da pronúncia russa, mas o mais comum é o uso das grafias “czar” ou “tzar”.

Sendo assim, nenhuma delas está errada, sendo aceitável o uso das duas expressões. Até porque, os dois nomes designam o mesmo título de poder.

Ivan IV, o Terrível.
Fonte: Wikipédia

Os principais czares e czarinas do Império Russo

  • Pedro I, (Pedro, o grande) – imperador de 1721 a 1725.
  • Catarina I – czarina entre 1725 a 1727
  • Pedro II – imperador entre 1727 a 1730
  • Ana da Rússia – czarina entre 1730 a 1740
  • Isabel I – imperatriz entre 1741 a 1761
  • Catarina II da Rússia – imperatriz de 1761 a 1796
  • Alexandre I – imperador de 1801 a 1825
  • Nicolau I – imperador de 1825 a 1855
  • Alexandre II – imperador de 1855 a 1881
  • Nicolau II – czar de 1894 a 1917

Ascensão e queda dos czares

O Império Russo, ou Rússia Czarista, como ficou conhecida após o título de czares, permaneceu como estado entre 1546 até 1917, quando foi derrubado pela Revolução de Fevereiro. Contudo, se tornou um dos maiores impérios da história da humanidade, o qual se estendeu por três continentes.

A sua ascensão se deu em decorrência do declínio de potências vizinhas e rivais, como o Império Sueco, a Comunidade Polaco-Lituana, a Pérsia e o Império Otomano.

No entanto, no começo do século XX, começou a perder força. Em 1904, a Rússia se viu enfraquecida diante de uma guerra contra o Japão. Na época, o país enfrentava um dos piores invernos da história, onde a temperatura chegava a 25 graus negativos, e a neve paralisava as ferrovias. Em decorrência disso, muitas indústrias se viram prejudicadas, e fábricas começaram a fechar, deixando milhares de trabalhados desempregados.

Se isso não fosse o bastante, o envolvimento da Rússia na Primeira Guerra Mundial, causou um certo desgaste entre o poder do czar diante da população, que a essa altura contribua fortemente para a queda da monarquia.

Assim, o império foi desmoronando aos poucos, até ruir definitivamente durante a Revolução de Fevereiro. Muito disso, devido a participação fracassada durante a Primeira Guerra Mundial.

Revolução de Fevereiro de 1917, um dos motivos para o fim da Rússia Czarista.
Fonte: Sputnik

O último imperador da Rússia

Assim, no dia 17 de julho daquele ano, Nicolau II, e toda a sua família foram executados por fuzilamento, pelos revolucionários bolcheviques. Sua morte proclamou o fim dos 300 anos da dinastia Romanov. Mas, mais do que isso, o fim de quase quatro séculos de domínio dos czares russos.

Nicolau II, o último czar russo.
Fonte: Wikipédia

E então, o que achou dessa matéria? Aproveite para conhecer também sobre a Revolução Russa. 

Fontes: Escola Kids, Aventura Na História, Aventura na História

Fonte Imagem Destaque: Mega Curioso