História

Wall Street – O que é, história da rua e influências na economia

Um dos centros comerciais mais importantes do mundo, Wall Street começou como uma rua simples ao lado de um muro e ganhou valor com o tempo.

Atualizado em 13/02/2020

Primeiramente, todos os dias, os índices de economia são atualizados com dados sobre instituições financeiras de todo o mundo. Além disso, os Estados Unidos, maior economia global, as mais importantes delas estão localizadas em Wall Street.

O lugar é tão popular, que já foi cenário de dezenas de filmes que se passam ali. Só pra citar alguns, temos “O Lobo de Wall Street”, “Wall Street: Poder e Cobiça” e a sequência “Wall Street 2 – O Dinheiro Nunca Dorme” e “A Grande Aposta”.

Mas por que a rua é tão famosa? E o que será que realmente acontece ali?

Origem de Wall Street

Wall Street - O que é, história da rua e influências na economia
Curbed

Primeiramente, segundo a tradução, Wall Street significa Rua do Muro. Na verdade, quando ela foi criada era apenas isso. Além disso, por volta de 1640, Nova York era dominada pelos holandeses e se chamava Nova Amsterdã. Com 270 moradores, a vila precisava ser protegida contra índios, piratas e britânicos. Foi assim que surgiu uma simples solução: construir um muro.

Mais tarde, em 1664, os ingleses invadiram a região e expulsaram os holandeses, renomeando a vila como Nova York. Eventualmente, uma rua passava pelo contorno da muralha e não demorou para que ela ganhasse o nome Wall Street.

Acima de tudo, alguns anos mais tarde, em 1699, a expansão da colônia e o controle dos ataques de índios provocaram a derrubada do muro. Apesar disso, o nome permaneceu.

Bolsa de Valores

Wall Street - O que é, história da rua e influências na economia
International Business Times

No início, a região era popular por ser ponto de tráfico de escravos. Rapidamente, todo tipo de comércio também acontecia ali. Além de escravos, mercadores negociavam tabaco, trigo, e títulos mobiliários, dentre outros.

Em 1792, um acordo foi estabelecido para determinar taxas e regras para as negociações da Bolsa de Nova York. O acordo foi feito por 24 acionistas e ganhou o nome Tratado de Buttonwood. Isso por causa do nome de uma árvore que nascia ao fim de Wall Street.

Por consequência do tratado, o local ganhou ainda mais força como centro de negociações. Assim, diversos bancos e empresas passaram a atuar na região. Ainda que a riqueza chamasse a atenção de novas famílias para Nova York, a região continuou como distrito comercial. Se durante o dia estava tomada de movimento, à noite era praticamente um deserto.

Wall Street e crises financeiras

Wall Street - O que é, história da rua e influências na economia
Time

Em 1929, a Grande Depressão dos Estados Unidos trouxe uma fama terrível para a região de Wall Street. Na verdade, até os anos 50, as pessoas ainda pensavam no local como uma região em que podia se perder muito.

A pior crise econômica da história dos EUA aconteceu exatamente ali. Na ocasião, a bolsa teve uma queda de 12% e o desemprego alcançou taxas alarmantes. Mais recentemente, em 2007, Wall Street também foi o epicentro da crise de títulos imobiliários. Dessa vez, uma das instituições financeiras mais tradicionais dos EUA, o Lehman Brothers, foi à falência.

Outros fatores também provocaram mudanças na região, como o atentado às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001. Nas torres, estavam escritórios de bancos importantes, financeiras e seguradores. Assim, o ataque deixou Wall Street em estado de alerta. Por conta do ataque, parte do escritório da NASDAQ (segunda maior bolsa do país), mudou para a Times Square.

Economia em Wall Street

Wall Street - O que é, história da rua e influências na economia
The Nation

Em virtude da importância do centro econômico, mais de 160 mil vagas de emprego são geradas em Wall Street. O número representa 5% da força de trabalho de Nova York. Além disso, trabalhadores da região recebem uma média equivalente a 20% dos salários da cidade. Ou seja, cerca de US$ 360 mil por ano.

Da mesma forma, os impostos pagos pelas empresas instaladas ali são parte importante da economia local. Isso porque um terço do total arrecado em Nova York sai de Wall Street. Certamente isso explica os investimentos do governo estadual na região. Contudo, os esforços não tem dado tão certo assim.

Recentemente, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, afirmou que a cidade deve perder arrecadação. Em virtude dos efeitos negativos no mercado de ações. Nova York pode ficar sem US$ 1 bilhão.

Apesar de não ser mais a mesma de outros tempos, Wall Street ainda tem sua magia. Não apenas admiradores do mercado financeiro ainda se interessam por Wall Street. Além disso, turistas são cada vez mais atraídos para o local, principalmente para visitar o touro de bronze próximo à bolsa de valores. Segundo as lendas, ele é capaz de oferecer riqueza para quem toca em seus chifres.

Você gostou dessa matéria? Você também vai gostar dessa: Crise de 1929: a grande depressão econômica que faliu os Estados Unidos

Fontes: História do Mundo, Aventuras na História, IQ

Imagem de destaque: History