História

Revolução de Avis – O que foi, história, características e consequências

A Revolução de Avis foi responsável pela independência de Portugal e pela consolidação da monarquia portuguesa durante mais de sois séculos.

Atualizado em 01/06/2020

Durante o século XIV Portugal passava por um momento de crises, tanto na política como na economia. As crises que duraram, aproximadamente, dois anos foram antecedidas por uma série de acontecimentos. Primeiro, com a morte do rei D. Fernando I a dinastia portuguesa entrou em decadência. Em seguida, a reino enfrentou a disputa para eleger o novo rei, sendo o Mestre de Avis coroado para o trono. Essa série de eventos é conhecida como Revolução de Avis.

Porém, para que possamos entender o motivo de todos os episódios históricos que acarretaram na Revolução de Avis, é necessário compreender a história do surgimento de Portugal. Pois bem, Portugal surgiu a partir do Condado de Portucale. Além disso, quando o rei D. Afonso Henrique tomou o trono em 1939, Portugal se tornou independente. Em seguida, a dinastia afonsina teve início.

Apesar da declaração de independência, Portugal ainda mantinha vínculos com o Reino de Castela. A monarquia, que era vizinha ao reino de Portugal, tinha interesses políticos. Assim, queria conquistar as terras portuguesas para que essas fizessem parte do Reino de Castela. Dessa forma, quando a crise na dinastia afonsina começou, a monarquia portuguesa iniciou um processo de crise e declínio, no final do século XIV, terminando com a Revolução de Avis.

Revolução de Avis

Após o declínio da dinastia afonsina, Portugal inicia um processo de crise que se estendeu até 1385. Dessa forma, com o intuito de reunir forças para as possíveis batalhas, o rei de Castela, Juan I, conseguiu que os franceses dessem apoio ao reino. Enquanto isso, D. João I, recebeu a ajuda dos ingleses.

Revolução de Avis, o que foi? História, características e consequências
Rei de Castela, Juan I. Fonte: nevsepic

 

As batalhas seguiram por um período de três meses e só foram amenizadas por conta de uma peste. A doença matou grande parte dos soldados castelhanos que cercavam Lisboa. Entretanto, a peste não foi motivo para colocar fim às guerras. Dessa forma, os confortos entre D. Afonso Henrique e João I durou entre 1384 e 1385, sendo conhecido como Batalha de Aljubarrota.

Batalha de Aljubarrota

A Batalha de Aljubarrota foi travada entre o Mestre de Avis, D. João I, apoiado pelos ingleses; e pelo rei de Castela, D. Juan I que recebeu a ajuda dos franceses. As tropas portuguesas estavam em desvantagem ao relação ao número de soldados castelhanos. Entretanto, esse não foi um empecilho. Assim, as tropas lideradas pelo Mestre de Avis conseguiram a vitória na batalha, mesmo em desvantagem numérica.

Revolução de Avis, o que foi? História, características e consequências
D. Nuno Álvares Pereira foi o grande líder do exército português que derrotou os castelhanos na Batalha de Aljubarrota. Fonte: Estudo Kids

A batalha ocorreu em 14 de agosto de 1385 e, com a vitória portuguesa, as tropas castelhanas não tiveram outra alternativa a não ser fugir. Visto isso, alguns estudiosos da história acreditam que a vitória portuguesa, mesmo com menor número de soldados, foi em decorrência da organização e liderança das tropas militares feita por D. Nuno Álvares.

Após o fim da batalha, os interesses de João I de Castela sobre o trono de Portugal não tinha mais fundamento. Assim, o Mestre de Avis, D. João I, recebeu a coração do trono português. Naquele momento, tinha início em Portugal uma nova dinastia, a dinastia de Avis.

Importância da Revolução de Avis

A Revolução de Avis trouxe à Portugal independência, além de alívio em as constantes ameaças do Reino de Castela. Foi importante também na construção sólida da monarquia portuguesa. Isso porque, após a revolução, Portugal conseguiu estabelecer estrutura econômica e política para os povos. Além disso, a expansão marítima que teve começo no século XV foi iniciada por Portugal.

Revolução de Avis, o que foi? História, características e consequências
Expansão marítima portuguesa. Fonte: Mundo Educação

Dessa forma, a revolução trouxe ao país estabilidade entre os povos e a monarquia. Os burgueses conseguiram se desenvolver economicamente. Assim, o comércio iniciou um processo de expansão garantindo sobrevivência para o reinado. Além disso, com a expansão marítima iniciada por Portugal, os produtos desenvolvidos começaram a ser comercializados.

O que achou da matéria? Se gostou, não perde tempo e leia mais textos aqui no site no site como, por exemplo, o que é o Socialismo Utópico e como foi formado o Estado Novo.

Fontes: Mundo Educação, Toda Matéria e História do Mundo

Fonte imagem destaque: O Castendo

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.