Ciências

Vulcões – O que são, como surgem, tipos, classificação e curiosidades

Os vulcões são estruturas geológicas capazes de expelir magma, cinzas e gases para a superfície terrestre. Conheça mais sobre eles.

Atualizado em 31/05/2020

Os chamados vulcões, são formações geológicas que podem jogar material magnético, cinzas, e gases armazenados no interior da Terra para a superfície. Esse processo é chamado de vulcanismo ou erupção vulcânica. Assim, essas estruturas são formadas a partir da massa de rochas, que se fundem em seu interior devido às altas temperaturas.

A grande maioria dos vulcões estão localizados em regiões montanhosas, próximas as bordas das placas tectônicas. Contudo, muitos deles são submersos, assim, suas erupções nem são percebidas pelo exterior.

Sendo assim, nem toda região do planeta tem vulcões, mas nas áreas montanhosas, muitas vezes eles podem ser confundidos com montanhas, principalmente os que estão inativos. Então, embora essa estrutura possa ter muitas semelhanças com as montanhas, sua formação e composição é muito diferente, até porque montanhas não expelem lava quente.

Portanto, hoje iremos conhecer um pouco mais sobre os vulcões. Vamos lá!

Como surge um vulcão?

Antes de saber como surgem os vulcões, precisamos conhecer a crosta terrestre, que é formada pelas placas litosféricas, ou placas tectônicas. Sabendo disso, as placas tectônicas são enormes blocos que formam a litosfera, e sobre as quais estão os continentes e oceanos. Assim, as altas temperaturas no interior da Terra, fazem com que haja um afastamento ou aproximação entre essas placas.

Desse modo, quando há aproximação e as placas tectônicas se chocam, ocorre o chamado movimento convergente. Onde, a placa mais densa afunda e retorna ao manto terrestre, enquanto a outra, ao sofrer uma pressão no sentido oposto, resulta em dobras na crosta. E são essas dobras que originam ilhas vulcânicas, no que é chamado de zona de subducção.

Essa é uma das formas que surgem os vulcões, mas não é a única. Essas estruturas geológicas também podem surgir a partir do afastamento dessas placas. Com isso, o afastamento resulta na formação de vulcanismo submarino, conforme o fundo oceânico se expande.

Apesar disso, os vulcões não surgem apenas nos limites entre as placas tectônicas. Eles também podem surgir em pontos quentes, nas regiões no interior da placa. Esses pontos são chamados de hot spot, e nesse caso, há a possibilidade da ascensão do magma, ou seja, a lava. Um exemplo disso são os vulcões do Havaí.

 

Na imagem acima, podemos ver a distribuição de vulcões.
Fonte: Mundo Educação

Partes do vulcão

Contudo, os vulcões sãos estruturas complexas formadas a partir de uma série de componentes. Assim, vamos conhecer cada um deles:

  • Câmara magmáticaé o reservatório de rocha líquida que se encontra abaixo de um vulcão. Quando o magma contido na câmara magmática exerce pressão suficiente para vencer a resistência das rochas que formam o teto da câmara, ele é libertado pela chaminé.
  • Chaminé: é a passagem pela qual o magma sobe da câmara magmática até a superfície.
  • Cratera: é a “boca do vulcão”, isto é, a abertura pelo qual o magma chega até a superfície.
  • Magma ou lava: é a rocha derretida que escorre durante a erupção vulcânica. Portanto, quando a lava quente solidifica-se do lado de fora do vulcão, a rocha resultante é chamada de rocha magmática.
  • Nuvem de cinzas: são pequenas partículas de rocha pulverizada, minerais e areia que são lançadas no ar durante uma erupção. Nuvens de cinzas vulcânicas podem causar perigosos problemas para a aviação, bem como danos a edifícios.
Os vulcões, apesar de suas várias formas, possuem uma estrutura comum.
Fonte: Blog Descomplica

Classificação dos vulcões

Conforme visto até aqui, nem todos vulcões são iguais, parecidos com montanhas, e que lançam lava a partir de uma explosão. Assim, veremos os tipos de vulcões e suas classificações:

Quanto ao nível de atividade

  • Vulcão Ativo – Apresenta atividade, ou seja, demonstra sinais de instabilidade. Portanto, existem desde os vulcões que entram em erupção frequentemente e provocam grandes explosões até os que passam longos períodos sem atividade e emitem apenas pequenos volumes de gases.
  • Vulcão Extinto – é uma estrutura que já houve atividade vulcânica, mas que possivelmente não apresentará mais sinais de atividade.
  • Dormente: não está em atividade. Contudo, pode ser que em um dado momento, volte a apresentar sinais de instabilidade.
Exemplo de um vulcão extinto, ou seja, sem atividade de erupção vulcânica.
Fonte: Tri Curioso

Quanto ao formato

  • Vulcões escudo – em geral, estão afastados do encontro das placas tectônicas e expelem materiais de forma mais lenta, formando planaltos extensos por onde a lava se deposita. É o caso dos vulcões do Havaí, mencionados anteriormente.
  • Estratovulcões – são os vulcões em forma de cone, em geral têm erupções explosivas, que emitem grande quantidade de gases e poeira.

Como ocorre uma erupção

A erupção vulcânica é resultado das forças internas do planeta que movimentam as placas tectônicas. Assim, esse movimento é estimulado pela agitação do material magmático, em função das altas temperaturas no interior da Terra.

Portanto, quando isso ocorre, a movimentação faz com o que o material magmático suba até chegar à superfície da Terra. O material magmático, também chamado de lava, é composto por diversos metais, como o ferro e o magnésio.

E quando o movimento das placas é muito intenso, as fendas abertas em rochas menos resistentes, acaba permitindo que a lava chegue até a superfície, expelindo lava pela crosta terrestre.

Magma ou lava: rocha derretida que escorre durante a erupção vulcânica.
Fonte: El País

Porque é tão difícil prever a erupção de vulcões?

Por ser um fenômeno natural, é uma tarefa um tanto quanto difícil, prever quando e qual a intensidade de uma erupção vulcânica. E isso é ainda mais complicado quando se trata de um vulcão adormecido por muito tempo.

A partir disso, os especialistas que monitoram essas estruturas geológicas, encontraram formas de tentar prever quando ocorrerá esse fenômeno. Assim, eles observam os terremotos, emissões de gases e a alteração no relevo ao entorno dessas estruturas. Qualquer alteração do tipo, pode indicar uma possível erupção vulcânica.

Desse modo, não todas, mas a grande maioria das erupções são antecedidas por um ou mais desses fenômenos. Portanto, quanto mais informações sobre um vulcão e sua atividade, maiores serão as chances de prever quando haverá uma erupção.

O vulcão de White Island, na Nova Zelândia, é um dos mais ativos do país. Portanto, é preciso de muitos dados para tentar evitar uma erupção.
Fonte: AtayRo

Vulcões e terremotos

Como visto anteriormente, há uma relação direta entre a distribuição de vulcões no mundo com a incidência de terremotos. Contudo, precisamos entender o que é um terremoto propriamente dito.

O terremoto, é caracterizado por um intenso tremor que ocorre na superfície terrestre, em decorrência de outros fenômenos geológicos no interior da litosfera. Portanto, esse tremor pode levar à movimentação das placas tectônicas, e também a uma atividade vulcânica.

Então, em regiões onde as há mais movimentos entres essas placas, elas podem provocar um acúmulo da pressão, resultando no surgimento de vulcões.

Danos causado pelo tremor na superfície, o terremoto.
Fonte: El País

Vulcões no Brasil

Atualmente não existe nenhum vulcão ativo em território brasileiro. Isso porque, o Brasil está localizado sobre a placa tectônica Sul-Americana, essa que não vai de encontro a nenhuma outra placa. Portanto, não há a possibilidade de formação de novos vulcões.

No entanto, já existiu vulcões no Brasil no fim da Era Mesozoica, mais precisamente nas regiões Sul e Sudeste. Assim, ainda restam diversas áreas que se originaram nesse período, onde hoje são terrenos férteis para a atividade agrícola.

Curiosidades

Sabendo disso tudo, os vulcões podem ser extremamente perigosos e devastadores. E para as populações que vivem em regiões próximas a vulcões ativos, o medo de erupção é constante. Portanto, confira uma lista com alguns dos vulcões mais perigosos do mundo:

  • Vesúvio (Itália);
  • Eyjafjallajökull (Islândia);
  • Sakurajima (Japão);
  • Kilauea (Havaí);
  • Monte Merapi (Indonésia).
Vulcão Monte Merapi, Indonésia. Considerado o vulcão ativo mais perigoso do país.
Fonte: Indonesia

Por fim, agora que você já conhece tudo sobre os vulcões, que tal aprender também sobre o Tsunami?

Fontes: Brasil Escola, Mundo Educação, InfoEscola, BBC

Fonte Imagem Destaque: Super Interessante