História

Hitler era de esquerda ou de direita?

É difícil rotular Adolf Hitler de direita ou de esquerda. Ele se posicionava contra banqueiros, mas tinha a palavra socialista no nome do partido.

Atualizado em 05/05/2019

A pergunta sobre ser Adolf Hitler de direita ou de esquerda divide opiniões e leva a debates calorosos.

É muito difícil rotular um homem que perseguia pessoas que considerava de raça inferior, mas que também se posicionava contra banqueiros. Sem contar que no nome do partido que apoiava o nazismo havia a expressão “socialista”.

Crianças judias no campo de concentração. Política racista nazista.

A diferenciação entre direita e esquerda 

Vamos relembrar onde surgiu essa diferenciação direita e esquerda? Nasceu a diferenciação no início da Revolução Francesa, quando Luiz XVI foi pressionado para solucionar o problema da fome. Ele então convocou uma assembleia com representantes do clero, da nobreza e do povo (1º, 2º e 3º estados, respectivamente).

No momento de haver a disposição das cadeiras, o clero e a nobreza, que queriam que tudo permanecesse como estava, já que eram a classe privilegiada, se sentaram a direita do rei. E os componentes do terceiro estado, que queriam promover mudanças, se sentavam à esquerda do rei.

Naquele momento dava parar notar quem era de direita ou esquerda. Mas com o passar do tempo esses rótulos foram perdendo o sentido.

Interessante não é? Então vale a pena conhecer mais a fundo essas definições de direita e esquerda.

E o nazista eram de direita ou esquerda?

No caso de Hitler, embora se intitulasse Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, o nazismo desprezava o comunismo na definição soviética. Ele se identificava mais com o liberalismo econômico, uma bandeira tradicionalmente da direita. Mas tinha também elementos em comum com a esquerda.

Muitos historiadores afirmam que Hitler era sui generis, ou seja, nem era propriamente capitalista, nem socialista, e que podia ser definido numa terceira via: o racismo. Isso porque o nazismo era um nacionalismo para poucos, mesmo entre os alemães, pois valorizava o que definia como “arianos”. E se um grupo não encaixasse nesse conceito, ficava excluído do Estado alemão.

O nazismo se mostrava abertamente anticomunista, porém também era anticapitalista. Então surge essa terceira via a que nos referimos, que definia Karl Marx como detestável por ser judeu, mas também o capitalismo liberal era execrável por ser liderado por judeus. O foco principal da ideologia do partido era o racismo.

Um nome que falseia a verdade

A palavra “Socialista” no nome do partido não passava de propaganda política. Isso porque os trabalhadores estavam na base eleitoral do país. E os nazistas queriam esses eleitores, que até então votavam no Partido Social Democrata.

E vale lembrar que existia na Alemanha um Partido Comunista de esquerda pura, mas totalmente dissociado dos nazistas.

A ideologia da superioridade racial não era só dos nazista

Winston Churchill, primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial, assim como o ditador soviético Josef Stalin, concordavam com a superioridade racial. Obviamente que nenhum deles defendeu publicamente o extermínio de raças.

Mas isso mostra que tal conceito não foi criado por Hitler, ele já existia naquela época. O problema é que o nazismo levou isso a gravíssimas consequências.

Os nazistas controlavam a economia através do Estado, embora não chegassem a socializar os bens. Tudo que faziam era para favorecer o que intitulavam de “verdadeiros alemães” ou “arianos”. Para eles o que importava não era o rótulo socialista (esquerda) ou nacionalista (direita), pois esses conceitos significavam o bem-estar de um grupo específico de alemães.

Gostou desse jogo de conceitos? Então que tal conhecer mais da Segunda Guerra Mundial?

Fonte: BBC, Super Interessante, History.