História

Guerras Médicas: entenda os conflitos entre gregos e persas

As Guerras Médicas foram travadas entre gregos e persas pela Jônia, região importante para o comércio no Mar Mediterrâneo.

Atualizado em 04/12/2018

As Guerras Médicas foram conflitos entre gregos e persas durante o século V a.C. Eles disputavam a Jônia, na Ásia Menor, localidade de grande importância para o comércio marítimo da época.

As lutas ocorreram na região da atual Turquia, que os persas passaram a dominar, comprometendo o comércio grego no Oriente.

Os gregos antigos não distinguiam os medos dos persas, por isso terem dado o nome de Guerras Médicas às batalhas travadas com o Império Persa.

Os motivos das Guerras Médicas

Apesar de inicialmente terem certa independência e viverem pacificamente com os persas, a Jônia passou a ter que pagar tributos ao rei Ciro II (546 a.C.)

Além disso, Dario I, seu sucessor, passou a apoiar os fenícios, tradicionais rivais comerciais dos jônios. Ele conquistou regiões essenciais ao comércio marítimo grego.

Todos esses fatores resultaram em um sentimento generalizado de revolta contra a opressão persa.

As Guerras Médicas foram entre gregos e persas no Mar Mediterrâneo

A Primeira Guerra Médica

Uma das mais importantes colônias gregas, Mileto invadiu as cidades persas de Sardes e Bizâncio, com o auxílio de Atenas e Erétria.

Em resposta, Dario I organizou uma grande invasão à Grécia Continental (490 a.C). É a Primeira Guerra Médica.

Os persas reuniram um exército de mais de 50 mil soldados, mas ainda assim foram derrotados na Batalha de Maratona.

Com um efetivo de apenas 10 mil homens, os atenienses, comandados por Milcíades, impediram a invasão persa no momento do desembarque nas planícies gregas.

As Guerras Médicas foram entre gregos e persas no Mar Mediterrâneo

A Segunda Guerra Médica

A Segunda Guerra Médica ocorreu dez anos depois, em 480 a.C.

Comandado por Xerxes, filho de Dario I, o poderoso exército persa venceu a Batalha das Termópilas.

O rei espartano Leônidas, com um pequeno grupo de soldados, resistiu bravamente ao numeroso exército de Xerxes.

Os espartanos perderam a batalha, mas sorrateiramente o restante das forças gregas evacuaram Atenas numa estratégia de defesa.

Atraídos para o canal de Salamina, os persas foram atacados de surpresa e derrotados pelos gregos, que estavam em visível inferioridade bélica.

A vitória grega foi sacramentada após os triunfos nas Batalhas de Plateias e Mícale em 479 a.C.

A Confederação de Delos foi uma liga militar

Depois de conquistar vitórias quase impossíveis, Atenas liderou a criação da Confederação de Delos.

Era uma espécie de liga militar entre várias cidades-estado gregas, que visava a defesa mútua no caso de eventuais futuros conflitos.

As grandes cidades forneceriam tropas e navios, enquanto as menores pagariam uma contribuição ao tesouro de Delos.

As Guerras Médicas foram entre gregos e persas no Mar Mediterrâneo

Consequências das Guerras Médicas

Como os atenienses lideraram os gregos contra os persas, depois da vitória se iniciou a hegemonia de Atenas.

Macedônia, Trácia e Iônia conquistaram a independência em relação à Pérsia.

Os persas ficaram enfraquecidos na região do Mediterrâneo. Era o início da decadência do império persa.

Você gostou de ler sobre as Guerras Médicas? Então não deixe de ler também sobre a Crescente Fértil, onde o homem deixou de ser nômade, inventou a escrita e a matemática.

Fonte: Só História, Info Escola, Toda Matéria, Sua Pesquisa, Brasil Escola, Escola Kids.