Geografia

Escala Richter, o que é? Utilização, grau de avaliação e magnitude local

Escala Richter é uma escala logarítmica arbitrária, de base 10, utilizada para quantificar a magnitude de abalos sísmicos como o terremoto.

Atualizado em 22/06/2020

Terremotos são desastres naturais, infelizmente, muito frequentes em algumas regiões do planeta. Assim, ao medir a intensidades desses abalos sísmicos utiliza-se a Escala Richter, criada por Charles Richter e Beno Gutenberg. Dessa forma, com a utilização desse método de medição é possível identificar a intensidade dos terremotos na superfície terrestre.

Na teoria, a Escala Richter não possui limite. Porém, acredita-se que os terremotos não ultrapassem grau 10. Além de medir o grau de intensidade dos abalos sísmicos, a escala também serve para comparar os tipos de terremoto. Assim, é comparado a força de um abalo sísmico em relação a outro.

Nesse sentido, os abalos mais fortes são numerados com maior intensidade e os menores, possuem graduação menor. Existem relatos de terremotos catastróficos com graus altíssimos na Escala Richter, como no caso do Alasca. Dessa forma, os terremotos mais violentos já registrados atingiram 9,2 graus, no Alasca, em 1964, e 9,5 graus, em 1960, no Chile.

Escala Richter e os graus de intensidade

A Escala Richter possui uma escala logarítmica. Ou seja, um tremor de escala sete é dez vezes maior do que um de escala seis, por exemplo e assim, sucessivamente. Assim, para que o grau de intensidade de um terremoto seja calculado é tomado como referência a distância do ponto exato do tremor no subsolo, chamado de hipocentro até o epicentro, ponto em que o tremor é sentido mais fortemente na superfície.

Escala Richter, o que é? Utilização, grau de avaliação e magnitude local
Destruição após terremoto no Chile, em 1960. Fonte: Caís da Memória

Entretanto, são considerados também o tempo de manifestação e a amplitude do terremoto. Assim, é considerado grave um abalo sísmico acima de 6 pontos na Escala Richter. Logo, confira a classificação das intensidades sísmicas:

  • Magnitude menor que 2 – tremores captados apenas por sismógrafos;
  • Magnitude entre 2 e 4 -impacto semelhante à passagem de um veículo grande e pesado;
  • Magnitude entre 4 e 6 -quebra vidros, provoca rachaduras nas paredes e desloca móveis;
  • Magnitude entre 6 e 7 -danos em edifícios e destruição de construções frágeis;
  • Magnitude entre 7 e 8 -danos graves em edifícios e grandes rachaduras no solo;
  • Magnitude entre 8 e 9 -destruição de pontes, viadutos e quase todas as construções;
  • Magnitude maior que 9 -destruição total com ondulações visíveis.

Outras formas de medir terremotos

Escala Richter, o que é? Utilização, grau de avaliação e magnitude local
Foto aérea dá noção da destruição causada após o terremoto em Palu, no centro de Sulawesi, na Indonésia. Fonte: Veja

Além da Escala Richter, a Escala de Mercalli também é utilizada para medir abalos sísmicos, bem como seus impactos sociais e em construções. Além disso, a Escala Mw também pode ser utilizada com para o mesmo fim e se parece muito com a forma de medição da Escala Richter. Entretanto, o ponto de diferença está na fórmula matemática empregada nas duas escalas.

Você sabia?

  • A principal causa dos terremotos é a movimentação das placas tectônicas;
  • Há cerca de 500.000 terremotos por ano em todo o mundo;
  • Aproximadamente 80% de todos os terremotos ocorrem no “Círculo de Fogo do Pacífico”.

Gostou do texto? Então, corre pra conferir o que é uma Avalanche

Fontes: Mundo Educação, Brasil Escola

Fonte imagem destaque: Rondoniaqui

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.