História

Ciclo do algodão: como a Revolução Industrial Inglesa afetou o Brasil

O Ciclo do Algodão, voltado para a exportação, alavancou a economia do Brasil Colônia e impulsionou o processo de industrialização do país.

Atualizado em 31/12/2019

O Ciclo do Algodão no Brasil foi um dos chamados Ciclos Econômicos do país e se deu entre meados do século XVIII e início do XIX.

Esse ciclo se situa entre a decadência da extração de ouro e o início da expansão da cafeicultura no país.

Como resultado das exportações algodoeiras, o Brasil começou a se industrializar e várias obras de infraestrutura foram feitas.

O Ciclo do Algodão foi estimulado pela Revolução Industrial Inglesa

Contexto Histórico

Com a Revolução Industrial Inglesa, houve a necessidade cada vez maior de matéria-prima para alimentar a indústria têxtil. Isso animou os agricultores brasileiros a optarem pelo cultivo do algodão.

O maior produtor de algodão do mundo eram os Estados Unidos, que também exportavam para a indústria inglesa. Mas com a sua independência houve o rompimento das relações com a Inglaterra, o que aumentou a demanda pelo produto.

Era tamanha a procura pelo algodão que praticamente toda a produção brasileira era exportada para as tecelagens inglesas.

O Ciclo do Algodão foi estimulado pela Revolução Industrial Inglesa

Características do Ciclo do Algodão

Por haver se tornado o principal produto de exportação brasileiro, o algodão foi plantado e larga escala principalmente no Maranhão.

A mão de obra que labutava nas lavouras era totalmente escrava e o cultivo era feito em imensas fazendas chamadas latifúndio.

Predominava também na época o sistema da monocultura, ou seja, um único produto era cultivado.

Outros Estados que também se destacaram no Ciclo do Algodão foram Bahia, Pará, Ceará e Pernambuco.

O algodão se tornou uma atividade rentável

O preço do algodão no mercado internacional disparou após a independência dos Estados Unidos. Isso animou a abertura de novas lavouras, posto que o produto chegou a ocupar ¼ da produção nacional.

Após a Independência do Brasil, construíram-se fábricas têxteis em território nacional, que foram incentivadas por benefícios fiscais.

Também como resultado do algodão, foram feitas estradas de ferro, infraestrutura em pontes e melhoria das cidades. A negociação na Europa era feita pela Companhia Geral do Comércio do Grão-Pará, que foi criada em 1756.

Você sabia?

Durante o Ciclo do Algodão, o produto de qualidade inferior e que não era exportado servia para vestir os escravos.

Muito antes da chegada dos colonizadores, os índios já faziam suas redes com fibras de algodão. Cotonicultura é o nome dado à cultura do algodão.

Se você curtiu saber algo mais sobre o Ciclo do Algodão no Brasil, não deixe de ler sobre como o ciclo do açúcar financiou a colonização brasileira.

Fonte: Sua Pesquisa, Toda Matéria, Escola Educação, Brasil Escola, Cerrado, Eumed, Ampa.