Biologia

Camuflagem – O que é, como funciona e quais são os tipos

Para garantir a sobrevivência no meio-ambiente, as criaturas apostam em várias estratégias de ataque e defesa. Uma delas é a camuflagem.

Atualizado em 01/02/2020

Na natureza, o principal objetivo de criaturas de todas as espécies é o mesmo: sobreviver. Para isso, diferentes animais contam com várias estratégias de adaptação ao ambiente. Seja para se defender ou para atacar, uma adaptação importante para as espécies é a camuflagem.

Para que possam garantir a sobrevivência, várias espécies conseguem se tornar menos visíveis ambiente. Ou seja, se misturam com a paisagem por meio de cores, formatos ou texturas que o deixam passar praticamente desapercebidos.

Por outro lado, a camuflagem também pode ser utilizada por predadores. Da mesma forma que as presas se mesclam para passarem ilesas, os predadores se camuflam para garantir o elemento surpresa na hora da caça.

Como a camuflagem acontece

Camuflagem: o que é e como funciona na natureza
Bored Panda

Logo que se fala em camuflagem, é provável que a maioria das pessoas lembre do camaleão. Sem dúvida, a habilidade de alterar a cor do animal é uma das formas mais populares de camuflagem. Mas não é a única.

Da mesma forma que um camaleão pode alterar sua cor, outras espécies podem alterar a sua forma. Seja como for, o objetivo é sempre o mesmo: ficar praticamente invisível.

Em outros casos, o próprio corpo do animal pode apresentar uma forma que garante a habilidade natural de se esconder no meio ambiente. Só pra ilustrar de uma forma bem simples, podemos citar o urso polar. Como vivem em regiões de neve, os pelos brancos da espécie são parte essencial para que eles consigam garantir a surpresa quando saem para caçar. Conheça também um pouco sobre os biomas brasileiros.

Tipos de camuflagem

Camuflagem: o que é e como funciona na natureza
Bored Panda

Como vimos, a camuflagem pode acontecer de maneiras diferentes, dependendo da espécie. Sendo assim, vamos conferir as duas formas em que ela é encontrada na natureza: homocromia e homotipia.

Homocromia

Esse é o caso do exemplo do urso polar. Da mesma forma que esses ursos possuem cor semelhante à da neve, outras criaturas também copiam os ambientes em que vivem, como areia, galhos, folhas, etc. Nesses casos, as criaturas já possuem os padrões naturais de cores para se misturar no meio. Além disso, também podemos citar o exemplo do camaleão. Mas aqui, a camuflagem depende da existência de cromatóforos. Essas são células especiais com a finalidade de garantir a mudança de cor da criatura, de acordo com a necessidade do ambiente, como também faz o polvo.

Homotipia

Essa é a camuflagem em que o organismo se mistura com o ambiente por semelhança de forma, por exemplo, o bicho-pau ou o bicho-folha. Ao invés de mudar sua cor, essas criaturas se assemelham aos galhos ou folhas do meio em que vivem.

Mimetismo

Camuflagem: o que é e como funciona na natureza
GGN

Assim como a camuflagem, existe uma outra forma de defesa na natureza que envolve a utilização da aparência. No mimetismo, entretanto, as espécies se assemelham a outras espécies, muitas vezes mais perigosas.

À primeira vista, pode parecer a mesma coisa, mas não é. Se no mimetismo as criaturas buscam a semelhança de aparência ou comportamento com outras espécies, na camuflagem existe a finalidade de se esconder.

O mimetismo pode ser de defesa ou de ataque. No mimetismo de defesa, os animais se assemelham a outros parecidos, mas com gostos piores ou até mesmo venenos. É o caso, por exemplo, da cobra coral falsa00. Ainda que ela pareça a cobra coral verdadeira, não consegue utilizar o seu veneno da mesma forma, mas intimida outras criaturas por causa da semelhança.

Já o mimetismo de ataque pode se confundir com camuflagem de predadores em muitas ocasiões. São casos em que animais se misturam a outros parecidos, mas para despistar suas presas. É uma espécie de lobo usando pele de cordeiro, mas que acontece de forma natural.

Aproveite também para ler sobre as riquezas da Mata Atlântica e sobre o Reino Animal.

Fontes: Brasil Escola, InfoEscola, Toda Matéria

Imagem de destaque: Bored Panda