História

Unificação italiana – Como ocorreu, guerras e consequências

A unificação italiana foi o processo de união territorial que resultou no surgimento do Estado-nação da Itália na segunda metade do século XIX.

Atualizado em 25/05/2020

A unificação italiana foi um processo de junção territorial da Península Itálica que aconteceu no Congresso de Viena de 1814. Antes de se tornar  Estado-nação a região era segmentada em vários pequenos reinos. Este processo se deu como forma de proteção.

Se acontecesse, portanto, um grande conflito, a Itália sairiam muito ferida se estivesse com seu território desunificado e, por fim, antes da chegada da Primeira Guerra Mundial a união foi feita. A decisão afetou também outros países do globo.

Antecedentes da unificação italiana

Unificação italiana - como ocorreu

A principio, a Península italiana era composta por vários reinados e ducados, ou seja, territórios com governo independentes. A maioria dessas dominações vinham de outros países como Áustria e França. Foram vários os interessados pela reunião que unificou a Itália.

Além dos grupos citados acima, a igreja também continha parte desse poder sobre o território. Cada lugar detinha sua própria moeda, o que dificuldade bastante o comercio e a transição de um lugar para o outro. Essa forma de governo era chamado de absolutista.

Também nesse período, Napoleão Bonaparte havia se retirado do governo Francês e foi exilado na costa italiana, na chamada Ilha de Elba. O fato perdurou-se até que Napoleão fugiu de seu exílio para se vingar de seus inimigos iniciando, enfim, a batalha de Waterloo.

Contudo, foram vários os motivos que levaram os vários reinados a buscarem por uma unificação. A Revolução Francesa trouxe outros ideias para os povos da Península, mas levou um tempo, porque algumas guerras perdidas como a de 1848 fez com o que a unificação se distanciasse um pouco da realidade italiana.

Guerras e unificação italiana

Unificação italiana - como ocorreu

O primeiro reino a aderir o modelo político liberalista vindo da Revolução Francesa foi o de Piemonte-Sardenha. A busca por conquista de territória permanecia do local, já que ainda havia dominações vindas de outros lugares do mundo.

O rei Carlos Alberto foi o percurso, portanto, por declarar guerra contra a Áustria. Sua atitude contaminou as vontades de vários outros reinos. O conflito, sobretudo, gerou outro novas rebeliões nas penínsulas porque, apesar de não ganharem de inicio, estavam dispostos a expulsar seus colonizadores.

Depois de um ano de tentativas o governo de Piemonte-Sardenha foi transferido para Vitor Emanuel II, filho do rei anterior. Com alianças feitas, o no monarca resolveu travar novamente batalhas contra a Áustria e, dessa vez, com sucesso.

No outro lado da península, logo ao sul, Giuseppe Garibaldi também se dispôs, no entanto, ajudar o ideal de unificação e partiu território adentro travando guerras contra as colônias. Com isso, não demorou muito para que a Itália realizasse o seu sonho de unificação e garantisse a proteção de suas terras.

O Vaticano e a Itália

Unificação italiana - como ocorreu

Durante o processo de unificação com o Congresso de Veneza, os países pontífices também foram anexados nesse período. Como a igreja também fazia parte dessa possessão de terras e tinham interesse na condução da reunião e nas decisões, alguns problemas surgiram.

Faltava, sobretudo, criar no mapa e nas novas divisões anexar Roma que, mesmo depois de estabelecida, não convenceu o papa Pio IX a entrar em harmonia com as decisões. No entanto, o religioso se auto considerando um prisioneiro e manteve-se no dentro do vaticano.

Por fim, o caso permaneceu assim até 1929 com o chamado Tratado de Latrão, ou Tratado de Santa Sé. Essa combinação oficializou a criação do Estado da Cidade do Vaticano e, portanto, resolveu a questão romana na Itália.

Consequências da Unificação Italiana

Muitos dos imigrantes moradores da península itálica, com a unificação, tiveram que, por fim, deixar as terras italianas. Com isso, muitos dos colonizadores foram para países como o Brasil, Argentina e Estados Unidos.

Lei também sobre a Revolução Gloriosa – O que foi e como transformou a monarquia britânica.

Fonte: Toda matéria, História do mundo, Brasil escola. Globo Educação, Quero Bolsa, Mundo e Educação,

Fonte imagens: Toda matéria, História net blog, Diário da Amazônia.

Fonte imagem destacada: Frontierarieti,