Biologia

Sistema Esquelético – O que é, função e os ossos presentes no sistema

O sistema esquelético é um conjunto de estruturas ósseas que sustentam o corpo. Conheça a mais sobre o esqueleto humano e seus ossos.

Atualizado em 16/05/2020

Como o próprio nome já sugere, o sistema esquelético é o que forma o esqueleto. Ou seja, o conjunto de estruturas de sustentação, que no caso dos animais são os ossos. Além dos ossos, o sistema esquelético contam também com a cartilagem, os tendões e os ligamentos.

Sendo assim, são essas estruturas que possibilitam a movimentação do corpo, a sua sustentação, o apoio aos músculos, e a proteção de órgãos vitais. E serve também como um lugar de armazenamento de substâncias, tais como cálcio e fósforo, e produz células sanguíneas.

Portanto, hoje iremos falar mais sobre o sistema esquelético, e suas funções. Confira.

Os Ossos do Sistema Esquelético

Começando pelos ossos que compõem o sistema esquelético. Eles são órgãos esbranquiçados, muito resistentes, que unidos por meio das junturas e articulações, formam o esqueleto.  Sendo assim, os ossos do corpo humano são classificados de acordo com o seu formato, podendo ser:

  • Longos: aqueles que apresentam maior comprimento em relação à largura e espessura. Entre seus exemplos, estão o fêmur e a ulna;
  • Curtos: aqueles em que todas as dimensões (comprimento, largura e espessura) são equivalentes. Entre seus exemplos, estão o tarso e o carpo;
  • Planos ou laminares: os que possuem fina espessura e comprimento e largura equivalentes. Como exemplos, podemos citar os ossos do crânio;
  • Pneumáticos: são ossos ocos, com cavidades cheias de ar e revestidas por mucosa (seios), apresentando pequeno peso em relação ao seu volume. Um exemplo desse formato é o esfenoide;
  • Irregulares: são os que não apresentam uma forma geométrica definida. Por exemplo, as vértebras;
  • Sesamoides: são pequenos e arredondados, seu principal exemplo é a patela.

Portanto, todos esses ossos são interligados uns aos outros através das articulações ósseas. Essas que podem ser móveis, como as dos joelhos, por exemplo, ou fixas, como as dos ossos do crânio.

As Articulações Ósseas

Quanto as articulações, elas podem ser definidas como um ponto de união entre dois ou mais ossos. Sendo assim, algumas articulações permitem a movimentação do nosso esqueleto. Contudo, nem todas as articulações realizam essa função de movimentação.

E é baseado no grau de movimentação que elas são classificadas em três tipos básicos. Sendo eles:

  • Sinartroses: também chamadas de articulações imóveis;
  • Anfiartroses: caracterizam-se por serem ligeiramente móveis;
  • Diartroses: capazes de permitir grande movimentação.

Além do mais, as articulações também são classificadas de acordo com o material presente entre os ossos:

  • Articulações fibrosas: presença de tecido conjuntivo fibroso entre os ossos. Essas articulações apresentam mobilidade reduzida ou são imóveis;
  • Articulações cartilaginosas: presença de tecido cartilaginoso entre os ossos e da redução de mobilidade;
  • Articulações sinoviais: presença de uma cápsula que delimita uma cavidade articular.

Configuração Interna dos Ossos

Já a configuração interna dos ossos é muito mais ampla e complexa. Isso porque a estrutura óssea do sistema esquelético é formada por diversos tipos de tecido conjuntivo, como denso, ósseo, adiposo, cartilaginoso e sanguíneo, além do tecido nervoso.

Sendo assim, os ossos longos são formados por várias camadas, como veremos a seguir:

  • Periósteo: é a mais externa, sendo uma membrana fina e fibrosa (tecido conjuntivo denso) que envolve o osso, exceto nas regiões de articulação (epífises). Desse modo, é no periósteo que se estão os músculos e tendões;
  • Osso Compacto: o tecido ósseo compacto é composto de cálcio, fósforo e fibras de colágeno que lhe dão resistência. Além disso, é a parte mais rígida do osso, formada por pequenos canais que circulam nervos vasos. Sendo assim, entre estes canais estão espaços onde se encontram os osteócitos;
  • Osso Esponjoso: o tecido ósseo esponjoso é uma camada menos densa. Em alguns ossos apenas essa estrutura está presente e pode conter medula óssea;
  • Canal Medular: é a cavidade onde se encontra a medula óssea, geralmente presente nos ossos longos;
  • Medula Óssea: a medula vermelha (tecido sanguíneo) produz células sanguíneas, mas em alguns ossos deixa de existir e há somente medula amarela (tecido adiposo) que armazena gordura.

Estrutura dos Ossos Longos

Outro detalhe, é que ossos longos apresentam locais de crescimento e remodelação. Ou seja, estruturas ligadas as articulações. Para entender, vejamos as partes que compõem um osso longo:

  • Diáfise: é a haste longa do osso. Ele é constituído principalmente de tecido ósseo compacto, proporcionando, considerável resistência ao osso longo.
  • Epífise: as extremidades alargadas de um osso longo. A epífise de um osso o articula, ou une, a um segundo osso, em uma articulação;
  • Metáfise: parte dilatada da diáfise mais próxima da epífise.

Divisão do Esqueleto

Como já visto até aqui, o sistema esquelético humano é bastante complexo, e constituído por vários tipos de ossos diferentes. Sendo assim, um esqueleto humano adulto é composto por 206 ossos.

Por se tratar de um sistema, cada osso dentro do esqueleto tem sua função própria, por isso é dividido entre axial e apendicular.

Esqueleto Axial

Primeiramente o esqueleto axial, que é formado pelos ossos que ficam na parte central do corpo, ou próximo da linha média. Ou seja, no eixo vertical do corpo.

Sendo assim, os ossos que compõem o esqueleto axial são:

  • Cabeça (crânio e ossos da face);
  • Coluna vertebral e as vértebras;
  • Tórax (costelas e esterno);
  • Osso hioide.

E vamos conhecer cada um deles a seguir:

Crânio e Ossos da Face

A cabeça humana é formada por 22 ossos, sendo 14 da face e 8 da caixa craniana, e mais 6 ossos que compõem o ouvido interno.

O crânio é uma parte do corpo humano extremamente resistente,  justamente por ser responsável por proteger o cérebro. Contudo, seus ossos são intimamente ligados e sem movimentos.

Coluna Vertebral

A coluna por sua vez, é formada por vértebras que são ligadas entre si por articulações. Por esse motivo que a coluna vertebral é tão flexível. Além do mais, devido as suas curvaturas, é graças a coluna que é possível equilibrar o corpo e amortecer os choques ocorridos durante os movimentos.

Portanto, a coluna é formada por 24 vértebras independentes e mais 9 que estão fundidas. Confira, como elas são agrupadas entre si:

  • Cervicais: são 7 as vértebras do pescoço, sendo que a primeira (atlas) e a segunda (áxis) favorecem os movimentos do crânio;
  • Torácicas ou dorsais: são 12 e articulam-se com as costelas;
  • Lombares: essas 5 vértebras são as maiores e as que suportam mais peso;
  • Sacro: essas 5 vértebras são chamadas sacrais, são separadas no nascimento e fundem-se mais tarde formando um só osso. Além disso, é um importante ponto de apoio para a cintura pélvica;
  • Cóccix: são 4 pequenas vértebras coccígeas que, como as sacrais, se tornam unidas em um osso único no início da idade adulta.

Tórax

O tórax é formado por 12 pares de costelas, todas elas ligadas entre si através de músculos intercostais. Esses ossos são chatos e encurvados, que se movimentam durante o exercício da respiração. Contudo, os três pares sequentes das costelas, se articulam de forma indireta, e por isso recebem o nome de falsas costelas.

Sendo assim, a décima primeira e décima segunda constelas são chamadas de flutuantes, por não fazerem articulação com o esterno, ou seja, o osso que se liga às costelas por meio da cartilagem.

Osso Hioide

O hioide é um osso em forma de U que serve como ponto de apoio para os músculos da língua e do pescoço, localizado entre a mandíbula e a laringe. Contudo, é um osso que não possui nenhuma articulação.

Esqueleto Apendicular

Já o esqueleto apendicular do sistema esquelético, é formado pelos “apêndices” do corpo. Eles  são encontrados nos ossos dos membros superiores e inferiores.

Sendo assim, o esqueleto apendicular é composto por ossos que se ligam ao esqueleto axial, como a cintura escapular e pélvica.

Cintura Escapular

A cintura escapular  é composta pela clavícula e escápula.

Sendo a clavícula longa e estreita, que se articula com o esterno e na outra extremidade com a escápula. Essa que é um osso chato e triangular articulado com o úmero (articulação do ombro). Contudo, a função da cintura escapular é unir o tórax com os membros superiores.

Membros Superiores

Os membros superiores são os braços, onde encontra-se o úmero, que é o osso mais longo do braço. Esse osso se articula com o rádio, que é o mais curto e lateral. As mãos também fazem parte dos membros superiores, tendo 27 ossos, divididos em 8 carpos, 5 metacarpos e 14 falanges.

Cintura Pélvica

Já a cintura pélvica é formada pelo quadril e os ossos ilíacos. Ela liga-se ao sacro e aos membros inferiores. No caso das mulheres,  a cintura pélvica é mais larga, menos profunda e com a cavidade maior. Isso porque, é essa formação que permite a abertura da pélvis no momento do parto para a passagem do bebê.

Membros Inferiores

Os ossos dos membros inferiores são responsáveis pela sustentação do corpo e movimentação, ou seja, as pernas. Sendo assim, precisam ser mais resistentes já suportam o peso e mantêm o equilíbrio.

Confira os ossos presentes nos membros inferiores:

  • Fêmur: é o osso mais longo do corpo. Além disso, tem a cabeça arredondada para encaixar na pelve;
  • Patela: é um osso sesamoide, articulado com o fêmur;
  • Tíbia: suporta quase todo o peso na parte inferior do corpo;
  • Fíbula: é um osso mais fraco, ligado com a tíbia ajuda a mover o pé;
  • Ossos do pé: os pés têm 26 ossos divididos em: tarsos (7), metatarsos (5) e falanges (14).

Ossificação e Remodelação Óssea

Quando um osso do sistema esquelético atinge seu tamanho definitivo, na idade adulta, o tecido ósseo é constantemente destruído. Sendo assim, um novo tecido é formado em seu lugar, em um processo conhecido como remodelação. No entanto, essa remodelação acontece de forma diferente em várias partes do corpo.

Contudo, nesse processo de remodelação são produzidas lacunas e pequenos canais que prendem os osteoblastos na matriz óssea. Sendo assim, os osteoblastos são transformados em osteócitos, que são as células presentes no osso já formado definitivamente.

Fraturas Ósseas

Uma fratura óssea  acontece quando há uma perda da continuidade de um osso, ou seja, que o divide em dois ou mais fragmentos. Em outras palavras, quando se quebra um osso do corpo.

Essas fraturas podem acontecer com todas as pessoas, contudo, há uma maior incidência em alguns grupos específicos. Por exemplo, mulheres após a menopausa e em idosos, devido a maior fragilidade dos ossos.

No entanto, na superfície onde ocorre uma fratura, se forma um coágulo de sangue, e assim morrem células e a matriz óssea é destruída. Com isso, uma intensa vascularização se apossa do local e há proliferação de células precursoras das células ósseas originando um tecido reparador. Sendo assim, nessa região se forma um calo ósseo.

Portanto, dependendo do tratamento e das atividades realizadas pelo indivíduo, com o tempo, esse calo será substituído pelo osso esponjoso, depois pelo osso compacto, até se reconstituir como era antes da fratura.

Por fim, agora que você já sabe tudo sobre o sistema esquelético, que tal aprender mais sobre o corpo humano? Aliás, aprenda também sobre o Sistema Nervoso.

Fontes: Toda Matéria, Brasil Escola, Biologia Net, Aula de Anatomia

Fonte Imagem Destaque: Turbosquid