História

Racismo estrutural, o que é? Tipos, causas e história

O racismo estrutural, considerado crime no Brasil e em alguns lugares do mundo, é histórico e pode ser manifestado de várias formas.

Atualizado em 09/06/2020

O racismo estrutural é umas das três manifestações do racismo na sociedade. Dentre todas, essa é a forma mais “disfarçada” das expressões, aquela construída por vários anos. É, portanto, um preconceito velado.

Essa rejeição pode ser dirigida, por exemplo, a uma cor ou etnia. É, sobretudo, cristalizada na sociedade. Algumas falas racistas podem até passar despercebidas pelo seu dia a dia em um diálogo, ou brincadeira. Apesar disso, não se engane: essas são maneiras de normalizar a atitude criminosa.

O que é racismo estrutural

Racismo estrutural - o que é, causas e como acontece
Catraca Livre

Antes de compreender o racismo estrutural, vamos entender o que é preconceito e discriminação. O preconceito é, sobretudo, a sustentação de uma ideia sem que haja uma fundamentação, um conhecimento a respeito. Ou seja, julgar sem saber o que está sendo dito.

A discriminação, por sua vez, é uma maneira de diferenciar as pessoas e, através dessa separação, tratar de forma específica. Por exemplo: uma pessoa branca ser considerada melhor, merecer um tratamento mais brando e respeitoso.

O segundo ponto é que essa discriminação não se dirige apenas a cor ou a etnia. Ela pode ser de classe, religião, entre outras maneiras de segregar.

O racismo, sobretudo, é dirigido a cor da pele e a etnia. Por causa dos dois fatores há o preconceito devido às origens e, por isso, ocorre a exclusão e a discriminação, embasadas através de construções históricas.

Tipos de racismo

Racismo estrutural - o que é, causas e como acontece
Mundo Negro

Ainda dentro do conceito de racismo, há 3 tipos que podemos identificar: por crime de ódio, ou seja, racismo direto (1), racismo institucional (2) e racismo estrutural (3).

O primeiro é, basicamente, a maneira mais escrachada e violenta da prática racista. Aqui, pode haver ataque físico e verbal, sem a mínima preocupação com o ambiente ou com a reação da pessoa difamada. O agressor, por sua vez, escolhe suas vítimas de acordo com os seus preconceitos.

Essa maneira incisiva de praticar o racismo vai contra a integridade humana. Hoje, segunda a lei nº 7.716, o crime de ódio já é visto como incitação ao preconceito e pode gerar punição ao praticante.

O segundo, sobretudo, não é muito óbvio. A situação, por exemplo, dos protestos gerados nos EUA contra os policiais – que matam pessoas negras – é uma explicação para esse tipo de racismo. Podemos ver também quando não há representação em determinados espaços, grupos.

O racismo estrutural é, por sua vez, ainda mais invisível e pode passar despercebido pela sociedade. Essa forma é notada quando paramos para pensar o motivo pelo qual os negros não são a maioria nas universidades, mesmo compondo cerca de 15 milhões pessoas no Brasil.

Racismo na história

Racismo estrutural - o que é, causas e história
Humanista

Podemos ver o racismo na história, de maneira mais marcada, no período de expansão marítima, pós Revolução Francesa. Com as novas colonizações, principalmente americanas, o tráfico de escravos começaram a ser recorrentes.

Além dos negros, os indígenas também sofreram com o preconceito nessa época. Para justificar a violência e a discriminação contra essas pessoas, os europeus começaram a sustentar a ideia de soberania racial. Nessa ideia, os brancos estavam acima de todas as outras raças e etnias.

Como não haviam leis e, portanto, não era considerado crime, as manifestações racistas eram, com certeza, mais expostas. Com a chegada da abolição da escravidão, no século XIX,  tudo se tornou mais escondido, disfarçado, porém presente na sociedade.

O preconceito racial e étnico se tornou tão forte tivemos massacres inesquecíveis na história que hoje nos fazem lembrar a que ponto ultrapassamos os limites contra a vida humana. O Holocausto, por exemplo, foi uma dessas tragédias.

Racismo no Brasil

O racismo no Brasil pode ser notado a partir do momento que identificamos todo o genocídio e etnocídio na história, desde o período da descoberta. Mesmo após a abolição da escravidão e a Proclamação da República, não assumimos realmente esse posicionamento anti-preconceito.

Ao contrário de assumir o preconceito racial no país, assumimos termos como “mesticismo”, denotando o embranquecimento na população. Esse conceito veio de origens europeias que, defendiam a existência de uma raça superior.

Hoje, sobretudo, enfrentamos ainda ataques a pessoas negras e indígenas através de discriminação e exclusão. As lutas contra o racismo são contantes, já que 63,7% dos brasileiros ainda acreditam nos antigos ideais europeus sobre a soberania racial.

As favelas do são ocupadas por cerca de 70% de pessoas negras, as vezes até em situação de miséria. Quando vemos os postos de poder dominados por uma maioria branca, tendo em vista as porcentagens de moradores negros nas comunidades, é impossível negar o racismo no Brasil.

O que achou da matéria? Se gostou, confira também Angela Davis, quem é? História e luta das mulheres negras nos EUA.

Fontes: Mundo e Educação, Brasil Escola, UOL, Toda Matéria, JusBrasil, Grupo Escolar ,
Fonte das imagens: Carta Capital, Catraca Livre, Mundo Negro, Humanista.