História

Guerra dos Seis Dias – História, causas, países envolvidos e consequência

A Guerra dos Seis Dias foi um conflito que envolveu Israel e os países árabes, em 1967. O principal motivo foi a criação do Estado de Israel.

Atualizado em 08/11/2019

Também conhecida como Guerra de 1967 ou Guerra de junho de 1967, a Guerra dos Seis Dias foi um conflito envolvendo Israel, Síria, Egito, Jordânia e Iraque. Além disso, também é reconhecida como Terceiro Guerra Árabe-Israelense e ocorreu entre os dias 05 e 10 de junho de 1967.

Dessa forma, o conflito teve início quando a Arábia começou a atacar Israel pela fundação do Estado de Israel. Assim, o conflito foi travado entre o exército israelita contra as forças armadas do Egito, da Síria, Jordânia e Iraque. Além disso, esses países receberam apoio do Kuwait, Líbia, Arábia Saudita, Argélia e Sudão.

Nesse sentido, como teve duração apenas de seis dias, a guerra travada entre israelitas e árabes foi a mais rápida da história. Além disso, Israel contou com a vantagem de expansão territorial no pós-guerra. Dessa forma, conquistou os territórias da Península do Sinai, a Cisjordânia, Gaza, Jerusalém oriental e as colinas de Golã.

Causas da Guerra dos Seis Dias

Os conflitos envolvendo Arábia e Israel datam de outros anos desde a Independência do Estado de Israel, em 1948. Dessa forma, durante as décadas de 1950 e 1960 o que se notava era o fortalecimento do nacionalismo árabe.

Guerra dos Seis Dias - História, causas, países envolvidos e consequência
Fonte: Historiazine

Assim, a ascensão nacional árabe tinha como liderança o presidente do Egito e, logo após, o presidente da República Árabe Unida (RAU), Gamal Abdel Nasser. Dessa forma, o presidente Abdel Nasser recebia apoio de outros países e presidentes como Hafez al-Assad, da Síria, o rei Hussein, da Jordânia.

Nesse sentido, o presidente Abdel Nasser também era apoiado por outros chefes de estado. Assim, todos estavam ligados e integravam a Liga Árabe. Entretanto, as relações internacionais entre os estados não estava muito boa. Assim, durante a Segunda Conferência do Cairo, em 1964, os países declararam que as forças que estavam unindo eram únicas e exclusivas para destruir o Estado de Israel.

Guerra dos Seis Dias - História, causas, países envolvidos e consequência
MIG-21 da Força Aérea Egípcia. Fonte: Historiazine

Por consequência, a declaração aflorou a tensão que já existia no Oriente Médio. Assim, Síria e Jordânia começaram a apoiar grupos guerrilheiros que foram criados na OLP – Organização para a Libertação da Palestina. Além disso, organizaram tropas que estavam instaladas nas fronteiras com Israel, em maio de 1967.

Inevitavelmente, pequenos conflitos foram responsáveis para que a guerra se iniciasse. Assim, o presidente Nasser ordenou que bloqueassem o Golfo de Aqaba, além de aderir ao pacto jordaniano-egípcio. Dessa forma, Israel deu o início ao que ficou conhecido como “guerra-relâmpago”.

O conflito

Foram apenas seis de conflito, a guerra de menor duração entre os países do Oriente Médio. Porém, os seis dias foram responsáveis por causar a destruição de 309 dos 340 aviões de combate egípcios em apenas duas horas de combate. Isso porque, os aviões foram atacados quando ainda estavam na base aérea.

Guerra dos Seis Dias - História, causas, países envolvidos e consequência
Coluna blindada israelense de Sherman M4 avança no Sinai em 6 de junho de 1967. Fonte: Forte

Logo após, no segundo dia, a destruição continuou, quando Israel cruzou as fronteiras da Península do Sinai. Dessa forma, o terceiro dia serviu para paraquedistas israelenses conquistassem a cidade velha de Jerusalém. Além disso, conseguiram chegar ao estreito de Tiram, no dia 7 e a Rumani, no dia 8.

Por consequência, Egito e Síria já estavam derrotados no decorrer da guerra. Dessa forma, o conflito se estendia contra a Jordânia. Assim, a porção do país que ficava próximo ao rio Jordão foi capturada, mais precisamente a Cisjordânia.

Por fim, a guerra terminou com 980 soldados de Israel mortos, além de 4.520 feridos. Além disso,  40 aviões forma capturados e 394 tanques foram danificados. Já por outro lado, a Arábia terminou a guerra com 4.300 soldados mortos e 6.120 feridos. Além disso, 444 aviões foram capturados e e 965 tanques danificados.

Consequências

Israel conseguiu aumentar o território que antes era de 20.300 km2 de área para 102.400 km2. Além disso, o país conseguiu consolidar um projeto que já vinha se desenvolvendo, a Grande Israel.  Dessa forma, Israel conseguiu conquistar com a guerra, o controle das colinas de Golã, o deserto do Sinai, a faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém  Oriental.

Guerra dos Seis Dias - História, causas, países envolvidos e consequência
Carros de combate Israelense nas montanhas de Golã, uma perda estratégica sofrida pela Síria em 1967. Fonte: Orbis Defense

Por outro lado, além da grande conquista territorial, Israel abriu caminhos para disputas que ainda hoje continuam vivas nos países do Oriente Médio. Além disso, é importante ressalta que a ocupação dos territórios vizinhos por Israel mão foi algo planejado. Assim, não tinham intenção de tornar os territórios como definitivos.

O que achou? Se gosta de história, não deixe de conferir outros temas como O que é o conflito entre Israel e Palestina? Por que eles brigam tanto?, além de entender o que é a Liga Árabe – O que é, objetivos, estrutura e países membros

Fontes: História do Mundo, Info Escola

Fonte imagem destaque: Historiazine

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.