História

Foi assim que o reino dos Francos redesenhou o mapa da Europa

O Reino dos Francos sobreviveu ao Império Romano, alinhando-se ao mesmo, e mudou toda a organização política da Europa, influenciando a atualidade.

Atualizado em 08/12/2018

Os Francos eram o resultado da união de um grupo de tribos germânicas. Elas habitavam o baixo e o médio Rio Reno (século III d.C.).

Foram a organização política mais poderosa da Europa Ocidental, logo depois da queda do Roma, assim como redesenharam a Europa.

Na sua secular expansão, assimilaram a cultura de muitos povos, como os saxões, os romanos, o alemães e os avaros.

O Reino dos Francos redesenhou o mapa da Europa

O Francos: de inimigos a parceiros de Roma

Dois grupos surgiram dentro do Império Romano por volta do ano 253 e passaram a se impor sobre os outros. Eram os Sálios e os Ripuários, que habitavam o norte da região da Gália.

No ano de 257 já aparecem escritos que classificam o Francos como fortes inimigos de Roma. E enquanto os Sálios se sobressaiam com uma marinha forte, por outro lado os Ripuários eram imbatíveis em terra.

No século III, os Francos e os Saxões fecharam a navegação na costa da Grã-Bretanha e na Gália.

Sem ter como reagir, o imperador Maximiliano firmou um acordo inclusive com uma cláusula que autorizava os Francos a ingressarem no exército romano.

Já no século IV, o exército romano era composto quase todo de Francos.

Quando Átila, o Rei dos Hunos, atacou a Gália, os Francos auxiliaram o Império Romano a resistir (451).

Romanos e Francos ainda se uniram para derrotar os Visigodos (463) e os Saxões (469).

Uma dinastia que duraria dois séculos

O fundador da Dinastia Merovíngia de Reis Francos foi Meroveu (c. 411 — c. 458), por conseguinte sucedido por Quilderico I.

Clóvis I (466 – 511), que era filho de Quilderico I, sucedeu o pai, posteriormente com ele os Francos viveram grande prosperidade.

Clóvis tinha honras de general romano, assim como era o chefe civil e militar da província romana da Bélgica Secunda.

Foi ele também que converteu seu povo ao cristianismo, ao passo que caiu na graça da Igreja Católica.

No reino de Clóvis, o Francos impuseram sua língua, crenças religiosas e legislatura sobre as culturas germânicas e romanas na região.

Lutas internas põe fim à Dinastia Merovíngia

Quando Clóvis morreu, no entanto, o reino foi dividido entre seus filhos. Teodorico I, o mais velho, controlou a margem oeste do Mar do Norte até a região dos Alpes.

Teodorico foi sucedido por seu filho Theudebert, que ajudou romanos e ostrogodos contra o imperador bizantino Justiniano I.

Theudebert morreu em 555 e foi sucedido por Clothar I, que, depois de morto, deixou o reino partilhado por quatro reis.

A Charibet I coube o Reino de Paris. Siberbert I governou o Reino de Reims. Chilperic I foi rei de Soissoins. Por fim, Guntran governou o Reino de Orlenas.

Os irmãos lutaram entre si e puseram fim à longa Dinastia Merovíngia.

 

O Reino dos Francos redesenhou o mapa da Europa

Uma nova dinastia surge

Pepino, o Breve, conseguiu depor o último rei merovíngio, que se recolheu a um mosteiro. Ele foi eleito então o rei de todos os Francos e nasceu a Dinastia dos Carolíngios.

Pepino foi sucedido por seu filho Carlos Magno, por conseguinte se tornou soberano absoluto do Reino Franco.

Carlos Magno ampliou os domínios dos Francos e tomou as regiões da Soxônia, Baviera, Lombardia e quase toda a Itália. Suas conquistas trouxeram-lhe prestígio e poder.

Em 25 de dezembro de 800, Carlos Magno recebeu do papa Leão III o título de imperador do Sacro Império Romano.

Ele incentivou a cultura, abriu escolas e mosteiros, estimulou a tradução e a cópia de manuscritos antigos, além disso protegeu artistas. Seu governo foi marcado por intensa atividade cultural.

Após a morte de Carlos Magno, entretanto, o império se dividiu e acabou.

Interessante conhecer a história do antigo povo Franco, não é verdade? Mas não deixe de ler também sobre a Guerra dos 30 anos mudou o mapa da Europa.

Fonte: Info Escola, Toda Matéria, Estudo Prático, Mundo Educação, Brasil Escola, Historianet, História do Mundo.