História

Comuna de Manaus: data, motivos e contexto histórico

A Comuna de Manaus, como os demais movimentos Tenentistas, queria alterações na política nacional, que beneficiava apenas as oligarquias ruralistas.

Atualizado em 11/02/2019

A Comuna de Manaus foi a terceira revolta do Tenentismo, ocorrida em 1924, no Estado do Amazonas durante o governo de Artur Bernardes. Ocorreu sob a liderança do tenente Alfredo Augusto Ribeiro Júnior.

A palavra “comuna” do nome da revolução se reporta à expressão francesa “comunne”, cujo significado é município. Manaus foi o único local em que o Tenentismo tomou efetivamente o poder.

O movimento teve apoio da população pobre e isso lhe deu força, já que todos queriam mudanças sociais. A permanência das oligarquias ruralistas no poder era tida como um atraso nacional e isso foi um dos motivos da Revolução.

A Comuna de Manaus foi um levante contra as oligarquias ruralistas

Contexto Histórico

A Comuna de Manaus é um dos desdobramentos da chamada Revolta Tenentista. O Tenentismo foi um movimento político-militar de oficiais de baixa patente no início da década de 1920.

Eles lutavam principalmente para derrubar a oligarquia ruralista da Presidência da República. Era o tempo da Política do Café do Leite em que Minas Gerais e São Paulo se revezavam no poder.

O Tenentismo teve diversos desdobramentos. A Revolução Paulista de 1924, a Revolta dos 18 do Forte do Copacabana, a Comuna de Manaus e a Coluna Prestes.

Em Manaus, no entanto, o Tenentismo teve uma particularidade, que foi a forte crise econômico-social. Com o fim do 1º Ciclo da Borracha (1879 a 1912), a cidade que experimentara a prosperidade rápida, entrou em decadência. Havia desemprego, denúncias de corrupção e de fraudes eleitorais.

Na tentativa de amenizar a crise, o governo do Estado contraía empréstimos e buscava ajuda federal, mas sem resultado. Chegou-se a uma desesperadora situação em que fazendas eram invadidas e saqueadas pela massa esfomeada.

Como ocorreu a Revolta

No dia 23 de julho de 1924, começa um levante na Guarnição de Manaus, cujo líder era o tenente Alfredo Augusto Ribeiro Júnior. Aproveitando a ausência do Governador César do Rego Monteiro, os sublevados assaltaram e conquistaram o Palácio Rio Negro. Turiano Meira, então governador em exercício, fugiu amedrontado pela porta do fundo.

Os militares do 27º Batalhão atacaram também o Quartel da Polícia Militar, porquanto houve intensa troca de tiros. Só que os milicos possuíam uma peça de atiraria e venceram o combate, tendo os policiais se rendido. Manaus ficou isolada do país de 23 de julho a 28 de agosto, com a tomada das estações de telégrafos e telefones.

Os revoltosos tiveram apoio em massa da população pobre, já que todos estavam no limite da resistência humana. Nesse contexto, a Revolta toma também as cidades paraenses de Santarém, Alenquer e Óbidos.

A Comuna de Manaus foi um levante contra as oligarquias ruralistas

A reação governamental

O Governo Federal enviou para acabar com a Comuna de Manaus o general João de Deus Barreto. Ele era o comandante do Destacamento do Norte e havia reprimido os levantes de São Paulo e Rio de Janeiro.

As forças oficiais chegaram a Manaus no dia 26 de agosto e o General Barreto soube usar uma boa estratégia. Sabedor de que a população civil em peso apoiava os rebeldes, cercou a cidade e ameaçou bombardeá-la. Para evitar um dano maior, os amotinados tomaram a decisão de se entregar. Ribeiro Júnior foi preso e a normalidade restabelecida.

E se você curtiu ler sobre a Comuna de Manaus, lei também uma matéria que fala da Guerra dos Manaus e conheça a revolução dos índios contra a escravidão.

Fonte: Wikipédia, Info Escola, Toda Matéria, História Net, Jeferson, Manaus de Antigamente, Racha Cuca, Todo Estudo, Luisa, Eu Gosto de História, Sua Pesquisa.

Fonte das imagens: Manaus de Antigamente, Cipriano Barata, Wikipédia.