História

Como as grandes navegações mudaram o mapa do mundo

As grandes navegações foram um conjunto de viagens marítimas que expandiram os limites do mapa até então conhecido, descobrindo um mundo desconhecido.

Atualizado em 23/11/2018

Sobre as Grandes Navegações, no século XV a Europa começava a se reerguia economicamente depois de sofrer divisões, guerras e divergências políticas durante a Idade Média.

Aprimoraram-se também as técnicas de navegação e a construção de navios mais modernos. Por esse tempo também foram inventados novos instrumentos de orientação.

Quando Constantinopla foi tomada pelos turcos otomanos (1453), o Mar Mediterrâneo foi fechado para navegação. Isso obrigou os europeus a buscarem outra rota de comércio com a Índia, motivando o desbravamento dos oceanos.

As Grandes Navegações eram um negócio arriscado

A empreitada de navegar pelos oceanos era bem arriscada, mas se desse certo o lucro seria alto. Aos poucos, estas iniciativas se tornaram grandes negócios, financiados tanto por burgueses e banqueiros, quanto pelos Estados.

Os riscos eram altos, mas as recompensas também. Principalmente, porque as rotas comerciais mais lucrativas da Europa eram as que levavam à Índia e ao extremo oriente.

A burguesia mercantil investiu no negócio porque estava interessada em ampliar sua margem de lucro. Também contribuíram para o sucesso da empreitada a centralização do poder monárquico, que fortaleceu o Estado.

As Grandes Navegações mudaram o mapa do mundo

Além de Portugal e Espanha, Inglaterra, França e Holanda (Países Baixos) também se aventuraram em grandes navegações.

Como essas rotas eram dominadas por mercadores da península itálica, a maioria dos Estados tentava encontrar formas de contornar aquele monopólio.

A exploração dos oceanos tinha duas metas principais, que são: a descoberta de novas rotas comerciais para a Índia e extremo oriente, além de descobrir outras terras e fontes de riquezas no além-mar.

E quando Cristóvão Colombo chegou ao Novo Mundo (1492), as esperanças se fortaleceram e o espírito explorador europeu dominou os próximos séculos.

Portugal saiu na frente

Os portugueses saíram na frente dos demais países nas Grandes Navegações, sendo seguidos pela Espanha. Em Portugal foram aperfeiçoados instrumentos náuticos, a exemplo da bússola, e inventada a caravela, tido então como um navio moderno.

A primeira expedição portuguesa, comandada pelo rei Dom João I, conquistou Ceuta (1415), porto africano ao norte do Marrocos. O local se tornou estratégico para as descobertas portuguesas na África Ocidental.

Em 1487, Bartolomeu Dias contornou o Cabo da Boa Esperança e abriu caminho para o Oriente. Mas somente dez anos depois Vasco da Gama fez a primeira viagem entre Portugal e a Índia. E em 22 de abril de 1550, a esquadra liderada por Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil.

As Grandes Navegações mudaram o mapa do mundo

A Espanha seguiu o exemplo português e se lançou ao mar

A Espanha começou suas explorações bem depois de Portugal, mas teve muita sorte. É que uma das primeiras expedições foi justamente a de Cristóvão Colombo.

O país contribuiu com grandes feitos que modificaram o mapa do mundo até então conhecido. Em 1492 houve a chegada de Colombo ao Novo Mundo, imaginando se tratar da Índia.

Mas Américo Vespúcio chegou em outra expedição constatando que a descoberta de Colombo era uma nova terra (1504). Em 1513 Nunes Balboa atravessou a terra descoberta e chegou ao Oceano Pacífico, confirmando se tratar de um novo continente;

Fernão de Magalhães fez a primeira viagem ao redor do mundo (1522), comprovado a teoria de que a Terra é esférica.

As Grandes Navegações mudaram o mapa do mundo

Curiosidades sobre as Grandes Navegações

Antes das Grandes Navegações, havia lendas de que os oceanos eram povoados por animais gigantescos e capazes de afundar qualquer embarcação. Também havia a crença de que os oceanos terminavam em um grande abismo que faria os navios caírem no nada.

As especiarias eram produtos levados das Índias para a Europa, como pimenta, gengibre, noz-moscada, açafrão, cravo e canela.

Como alimentos, embarcavam galinhas, cabritos e porcos, mas eles eram comidos no início da viagem. Depois tinham que se alimentar de um biscoito feito de farinha.

Por passarem muito tempo sem comer frutas frescas, os marinheiros eram atacados pelo escorbuto, doença causada pela falta de vitamina C.

Não é interessante conhecer sobre as Grandes Navegações? Não deixe de ler também sobre o que foi a Revolução Industrial e como ela mudou o mundo.

Fonte: Só História, Info Escola, Stoodi, Toda Matéria, Super Interessante, Cola da Web, Mundo Educação.