Geografia

Inversão térmica: fenômeno natural que pode tornar o ar irrespirável

Saiba como a Inversão térmica interfere no clima local e, nas grandes cidades, como ela retém a poluição que não se dispersa.

Atualizado em 16/11/2018

A Inversão térmica é um fenômeno natural de mudança das camadas atmosféricas, de modo que o ar frio permanece em baixas altitudes e o ar quente nas camadas mais elevadas.

Ocorre assim uma desestabilização momentânea da circulação atmosférica e alteração na temperatura.

De que forma se dá a inversão térmica

A inversão térmica ocorre no final da madrugada e no início da manhã, geralmente no período do inverno, quando tanto o solo quanto o ar registram temperaturas mais baixas que próximas do solo, podendo chegar abaixo de 4ºC.

Dessa forma o ar frio não sobe, ficando retido nas camadas mais baixas da atmosfera, enquanto o ar quente, que ocupa as camadas mais altas da atmosfera, não consegue descer.

Dá-se assim uma estabilização temporária da circulação atmosférica, onde se verifica uma inversão das camadas: o ar frio (mais denso) permanece abaixo e o ar quente (menos denso) acima.

Inversão térmica: fenômeno natural que pode tornar o ar irrespirável

Logo após o nascer do sol, a inversão térmica começa a se desfazer mediante o gradativo aquecimento do solo e do ar, de modo que o ar aquecido que se forma sobe, e proporcionalmente, o ar resfriado cai, voltando a normalidade da circulação atmosférica no ambiente.

O fenômeno da inversão térmica ocorre com mais frequência nas regiões em que o solo absorve bastante calor durante o dia e o perde durante a noite, devido sua irradiação, esfriando as camadas mais baixas que ficam impossibilitadas de se elevar.

A inversão térmica e o efeito tampão na cidade de São Paulo

A inversão térmica pode ocorrer em qualquer região do planeta, mas as metrópoles se tornaram um ambiente mais favorável para a sua ocorrência. Durante o dia ela absorvem muito calor, por conta da concentração de prédios, solo impermeável e ausência de mato. Mas à noite elas perdem calor bem rápido.

Nas grandes cidades, a inversão térmica é responsável pela retenção de poluentes. O ar frio fica retido próximo à superfície das cidades, evitando que os poluentes se dispersem na atmosfera. É isso que dá ao ar uma aparência acinzentada. Embora a inversão térmica seja um fenômeno natural, seus efeitos se agravam nos ambientes urbanos por conta da emissão de gases poluentes.

A cidade de São Paulo é um exemplo dessa ocorrência. Sendo que ali ainda se dá o chamado efeito tampão, que surge com a chegada do verão. As massas de ar quente provenientes do oceano formam um tampão sobre a cidade, que é cercada de morros, concentrando toneladas de poluentes nas camadas mais baixas da atmosfera.

Soluções para amenizar a inversão térmica

É possível amenizar esse fenômeno natural com a implantação de políticas ambientais favoráveis e eficientes, com a fiscalização das indústrias, com a utilização de veículos elétricos e com o fim das queimadas.

Mas somente uma campanha de conscientização será capaz de mudar a forma como o ser humano lida com o meio ambiente.

Algumas curiosidade ligadas ao fenômeno natural

Em 1952, na cidade de Londres, foi registrada a primeira inversão térmica devido a grande concentração de poluentes. E em setembro de 2007, a cidade de São Paulo registrou um dos piores índices de poluentes causado pela inversão térmica.

Achou curioso conhecer sobre a inversão términa? Então leia também sobre como El Niño e La Niña bagunçam o clima do planeta.

Fonte: Toda Matéria, Só Biologia, Escola Kids, Info Escola, Significados, Revista Fapesp