Descubra como é a primeira consulta psicológica

O que você diz sobre o primeiro encontro com um psicólogo? Se nunca foi veja como seria e se já foi compare com sua experiência.

Muita gente que ainda não foi a uma consulta psicológica tem curiosidade de saber o que acontece dentro da sala. E quem já foi, pode ter vontade de comparar a sua com outra consulta e saber se todas são parecidas. Primeiramente, nem sempre podemos saber de tudo que acontece dentro de uma terapia. Até mesmo porque existe um sigilo entre as partes.

Outro fator que pode influenciar muito √© o estilo ou a forma√ß√£o do psic√≥logo (a) que ir√° te atender. Existe a psican√°lise, psicoterapia anal√≠tica, cognitivo-comportamental, terapia de apoio, e uma infinidade de outras.¬†Nem sempre a consulta precisa obrigatoriamente acontecer dentro de uma sala fechada, com um senhor de bigode te escutando e anotando cada passo (isso √© muito mais coisa de cinema). √Č um mito tamb√©m pensar que psicologia √© coisa para maluco (quem √© normal de perto?) ou para ricos (em diversas cidades pelo mundo existem atendimentos gratuitos ou de pre√ßo acess√≠vel).

Inseguranças comuns na primeira consulta psicológica

  1. Mas o que eu devo falar?
  2. Por onde eu devo começar?
  3. Ser√° que ela (ele) vai analisar a forma com que eu sento na cadeira?
  4. E se ela (ele) contar o que eu disser para alguém?

Segundo a psicóloga Fernanda Mion, esses são alguns procedimentos e combinados gerais para início de terapia, confira:

Sigilo: Quando um psicólogo se forma, fazemos juramentos, um deles é de que tudo aquilo que ouvimos e vemos, ficará em extremo sigilo para proteger o atendido. Afinal, não faria sentido, nós psicólogos revelarmos sobre qualquer fato da vida dos nossos pacientes, se escutar e saber sobre estes fatos faz parte do nosso trabalho.

ZécarlosMachado-Dr.-Theo1

Escuta terap√™utica: Durante nossa vida n√≥s podemos sentir vontade ou at√© mesmo necessidade de dividir nossas angustias, nossas limita√ß√Ķes, nossas cren√ßas ou at√© mesmo potencializar recursos, como coragem, seguran√ßa e determina√ß√£o, por exemplo. Normalmente conversamos com pessoas mais pr√≥ximas parentes e amigos, em busca de conselhos e apoio, o que √© muito bom. A diferen√ßa de conversar com um profissional de psicologia √© que n√£o damos conselhos, escutamos, mantemos sigilo e ajudamos nossos pacientes atrav√©s de t√©cnicas terap√™uticas a buscarem seus “recursos” e ainda “potencializ√°-los” para a resolu√ß√£o da sua queixa.

Psicóloga-serviços

Proporcionar conforto: Faz parte da nossa pr√°tica respeitar o “tempo” do nosso paciente e proporcionar a ele um ambiente acolhedor para que ele se sinta a vontade em expor sobre os motivos que lhe trazem ao consult√≥rio. Normalmente a conversa √© agrad√°vel porque a pessoa percebe ao conversar com um psic√≥logo que n√£o h√° julgamento e cr√≠ticas e que desde do in√≠cio h√° um puro respeito pela sua hist√≥ria e por seu modelo de mundo. Tudo o que n√≥s psic√≥logos queremos, √© que voc√™ se sinta √† vontade e que seja estabelecida uma rela√ß√£o de extrema confian√ßa e¬†harmonia para facilitar a conquista dos resultados esperados.

ana-rodrigo-psicologa

Escolhidas para você

Deixe um coment√°rio

O seu endereço de e-mail não será publicado.