História

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas

Os arquétipo são modelos ideais armazenados na nossa memória, que nos guiam de forma indireta a vida inteira. Entenda.

Atualizado em 31/05/2020

Os arquétipos são conceitos básicos que regem a nossa vida em todos os âmbitos. Assim, eles são responsáveis por influenciar o modo que nós vemos e interpretamos coisas, pessoas, situações e etc, mesmo que de forma inconsciente. Portanto, desencadeando reações favoráveis à determinadas circunstâncias, como sair para comemorar com os amigos em um bar, por exemplo.

Em termos teóricos, o arquétipo é uma concepção de um universo, onde tudo é imutável e repleto de ideias originais. Sendo assim, no mundo das percepções sensíveis, tudo o que sentimos é apenas uma reprodução do que já existe nesse universo paralelo.

Para ficar mais claro, vamos aprofundar nesse tema para entender melhor os conceitos de arquétipos, e a sua importância. Vamos lá.

O que é arquétipo?

Arquétipo nada mais é do que um conjunto de modelos ideais guardados na nossa memória. E isso fica claro devido a sua nomenclatura, derivada do grego. Desse modo “arché”, significa principal ou princípio, e “tipós”, relativo a impressão. Portanto, algo como a primeira ou principal impressão.

Nesse sentido, as concepções que a pessoas têm de heroísmo, guerreiro, ladrão, maternidade, bruxaria e etc, são basicamente as mesmas. Contudo, essas mesmas ideias existem de formas semelhantes mesmo em lugares diferentes, com culturas, crenças e políticas distintas.

Para deixar isso mais claro, vamos exemplificar isso, usando os animais, que são figuras arquetípicas. Ou seja, tendemos a associar a imagem dos animais a determinados padrões de comportamento.

Nesse caso, iremos utilizar o cachorro. Assim, ao ver um cachorro qualquer, a primeira impressão que se tem é de um animal fiel, amigo, e companheiro. Essa ideia por sua vez, é algo que surge automaticamente na nossa cabeça, portanto, um exemplo de arquétipo.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Fonte: Alfa Colégio

Arquétipos como padrão de comportamento

Esse conceito foi abordado pela primeira vez pelo psicólogo suíço Carl Gustav Jung, em 1919. Na sua concepção, essa ideia se refere a imagens primitivas presentes no inconsciente coletivo desde os primórdios da existência. Tudo isso para ajudar a explicar as histórias passadas de outras gerações. Portanto, segundo Jung, os arquétipos serviriam como fonte primordial para o amadurecimento da mente.

Vejamos isso pelo exemplo da figura da mãe, que transmite os mesmo valores de segurança, carinho e amor, tanto para um brasileiro, quanto para um indiano, embora os dois venham de duas culturas completamente diferentes.

Assim, isso seria uma consequência da imagem primitiva construída desde o começo da humanidade, mas que ainda se mantém presente no inconsciente da maioria das pessoas.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Psicólogo suíço Carl Gustav Jung, fundador do conceito arquétipo.
Fonte: Wikipédia

O arquétipo como percepção de si e do outro

Contudo, além do arquétipo como padrão comportamental, há também um segundo conceito. Esse que aborda uma forma de compreensão de si mesmo e dos outros.

Então, como visto até aqui, os arquétipos influenciam direta ou indiretamente a forma como enxergamos as pessoas, e como elas nós enxergam.

Voltamos as figuras dos animais, dessa vez o leão, que passa uma imagem de força, domínio e realeza. Sendo assim, associamos esse tipo de comportamento ao signo de Leão, que passa a imagem de uma pessoa dominante.

Dessa forma, a imagem que criamos do leão é uma figura arquetípica. Portanto, quando usamos essa figura, muitas pessoas irão se identificar com esses modelos e procurar formas de relacionar essas características consigo mesmas ou com outras pessoas.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Influência dos arquétipos na percepção do outro.
Fonte: Amor Tranquilo

Arquétipos na genética

E por último, a última forma de relacionar o arquétipo à nossa existência, definida por Jung, a genética.

Para o psicólogo, o nosso organismo esta intimamente ligado às nossas vivências, portanto, seria impossível imaginar o desenvolvimento de um com a ausência do outro. Portanto, ele defendia a ideia de que os arquétipos fariam parte do “passado mental” que um indivíduo recebe ao nascer.

Sendo assim, como parte desse processo é feito através do código genético, podemos afirmar que realmente existe uma relação entre os arquétipos e a genética.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Relação do código genético com arquétipos.
Fonte: Olhar Digital

Tipos de arquétipo

Por fim, Jung conseguiu mapear 12 tipos de arquétipos durante a sua pesquisa sobre o inconsciente coletivo. De modo geral, todas as pessoas possuem vários arquétipos presentes na construção de sua personalidade, no entanto, um ou outro tende a ser mais dominante.

Vejamos os arquétipos descritos pelo psicólogo:

  1. O inocente:

    O inocente é aquele que vive em busca de adequar a sua vida a um estilo mais natural e simples, de modo que possa exercer a sua plenitude e vivenciar o paraíso.

    Nesse sentido, são pessoas que costumam não ver maldade nos outros, para eles, todo mundo é bom até que se prove o contrário.

  2. O Explorador:

    Já o explorador é um perfil mais inquieto que está sempre em busca de auxílios para a sua jornada. Portanto, algo só lhe é útil se for para torná-lo livre, independente e que não sejam produtos de rotina.

    Não adeptos das regras e amarras da vida moderna, estas pessoas procuram antes de tudo a sua individualidade pelo mundo e não deixam que a rotina tome conta.

  3. O Sábio:

    É aquele que busca a verdade suprema que vai libertá-lo, onde o seu principal objetivo é viver plenamente. Por meio do conhecimento de processos e dos fluxos de informação ele deseja controlar, mensurar, avaliar e validar.

    É o arquétipo especialista, porém metódico e detalhista. Ele se identifica com marcas/produtos que instiguem sua criatividade, aptidões intelectuais e tudo o que o faça pensar e raciocinar.

  4. O Herói:

    Um perfil de consumidor que é dinâmico, veloz e ágil.

    As marcas que pretendem explorar este arquétipo precisam oferecer produtos que estejam ligados à aptidões e competências, ou que ofereçam desafios ligados ao perigo e à velocidade.

    Portanto, o herói é disciplinado e tem orgulho disso, foca seus esforços em ser sempre o melhor.

  5. O Fora da Lei:

    Fiel a seus próprios valores, e não aos valores vigentes.

    O fora da lei é um ser carente por natureza, ele precisa chamar atenção para si, mesmo que para isso seja preciso cometer crimes, chocar e humilhar.

    Portanto, seu comportamento é sarcástico e cínico, para tentar desequilibrar a situação e ter o poder a seu favor.

  6. O Mago:

    Utilizando-se de conhecimentos que não podem ser explicados com números, ou por meio de fórmulas.

    A figura do mago pode ser associada a produtos que curam algo, ou que são relaxantes, ou até mesmo os que são altamente tecnológicos pela sua capacidade de catalisar mudanças.

  7. Cara Comum:

    Frequentemente associado aos sentimentos amenos e tranquilos, estas pessoas não expõem suas convicções.

    Elas não querem se destacar, e sim se enquadrar num esquema comunitário em que se sintam parte integrante de maneira efetiva.

    Correm sempre o risco de manipulação ao seguirem o grupo, muitas vezes anulando suas vontades e desejos.

  8. Bobo da Corte:

    Trata-se de um arquétipo muito verdadeiro, que não está preocupado em se esconder no grupo.

    Ele busca por aceitação, porém ele precisa que o grupo o aceite como ele é, com seu jeito espontâneo e brincalhão. Esta é sua maneira de encarar a vida.

  9. O amante:

    Caracteriza-se pelo culto à beleza e pela valorização do romance e do sexo, através da invocação de tudo o que manifeste a atração física e a admiração corporal.

    Portanto, o amante evoca também a elegância, o lúdico e o erótico além de diversos prazeres efêmeros.

  10. Criador:

    Qualquer atividade de cunho artístico é útil na satisfação do desejo de harmonia e de estabilidade desse arquétipo.

    O reconhecimento dos seus feitos também é importante para ele.

  11. Governante:

    O Governante está no comando e no controle sempre.

    É típico de ser mostrado como indivíduo extremamente responsável, que joga com muitas responsabilidades importantes.

    Portanto, ele pode ser resumido em termos de responsabilidade, competência e soberania e, sendo um tanto mais ambicioso.

  12. Prestativo:

    O Prestativo é um altruísta, movido pela compaixão, pela generosidade e pelo desejo de ajudar os outros.

    Ele teme a instabilidade e a dificuldade, não tanto por si mesmo, mas pelo impacto sobre as pessoas menos afortunadas ou menos resistentes aos choques.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Os tipos de arquétipos definido por Jung.
Fonte: Medium

Os arquétipos na publicidade

Esses 12 arquétipos definidos por Jung, ao mesmo tempo que traçam um perfil comportamental, também mapeiam um perfil de consumidor. Desse modo, as marcas podem usar esses arquétipos para criar produtos e campanhas focadas em cada perfil de pessoa/consumidor.

Assim, podemos usar como exemplo, as marcas de bicicletas, que são relacionadas a um estereótipo de rebeldia. Essa característica é associada ao perfil arquétipo Os Foras da Lei.

Não por acaso, com certeza. O poder de persuasão está intimamente ligado aos arquétipos, e assim podem ser usados na hora de convencer alguém a comprar determinado produto ou serviço.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Controle das excelentes ferramentas para persuadir o consumidor.
Fonte: Sem Rush

A importância dos arquétipos em nossas vidas

Por fim, vimos como os arquétipos são importantes na nossa vida.

Assim, lembre-se quando em alguma entrevista de emprego, por exemplo, um psicólogo lhe perguntou qual animal você gostaria de ser. Ao te questionar isso, eles está buscando saber quais são as características arquetípicas da sua personalidade. Já que elas guiam a nossa vida, mesmo que de forma inconsciente.

Portanto, saber o que são arquétipos, e quais você se encaixa, pode ser muito bom para sua vida, já que você pode usá-los a seu favor.

Arquétipos – O que é, conceito, tipos e importância em nossas vidas
Fonte: Revista Paz

E então, o que você achou dessa matéria? Aproveite para aprender também sobre diversidade cultural.

Fontes: Sbcoaching, InfoEscola, Estudo Prático, Holistik

Fonte Imagem Destacada: iPlace