História

Unificação Italiana, o que foi? Definição, principais motivos e consequência

A unificação italiana foi um processo liderado pelo Reino de Piemonte-Sardenha, sob comando do rei Víctor Manuel II, na metade do século XIX.

Atualizado em 23/04/2020

Em síntese, para formar o país que é hoje, a Itália passou por um processo de unificação comandada pelo Reino de Piemonte-Sardenha, liderado por Víctor Manuel II. Dessa forma, a unificação italiana, ocorrida na segunda metade do século XIX, deu origem a Itália como Estado-nação.

O território onde hoje se localiza a Itália era formado por pequenos reinos. Grande parte dos reinados estavam sob liderança do Império Austríaco. Porém, com as revoluções liberais de 1848, vários movimentos surgiram como forma de mudar o domínio da unificação territorial.

Assim, as ideias nacionalistas se intensificaram durante o século XIX na região da Itália, além de outros lugares da Europa. Logo, surgiram movimentos que defendiam a união dos territórios para a formação de um império único, ou seja, o Reino da Itália.

Movimentos da unificação italiana

Em síntese, quando os ideias nacionalistas ganharam força no século XIX os movimentos que defendiam a unificação dos territórios se dividiram. Ou seja, eram grupos formados com um objetivo comum, porém, defendiam lideranças e caminhos diferentes.

Unificação Italiana, o que foi? Definição, principais motivos e consequência
Unificação Italiana” foi o processo de centralização e união dos vários reinos que formavam a Península Itálica. Fonte: Museu Ebraicobo

Nesse sentido, três movimentos foram formados, sendo eles:

  • Neoguelfos: eram liderados por Vincenzo Gioberti e defendiam que os territórios fossem unificados sob liderança do papado.
  • Republicanos: liderados por Giuseppe Mazzini e defendiam a unificação sob a inspiração de ideais republicanos.
  • Monarquistas: desejavam unificar a região sob a liderança da Casa de Saboia, constituindo um regime monárquico. Vitor Emanuel II e Conde de Cavour estavam à frente do movimento.

Durante as revoluções de 1848 grupos de republicanos também se formaram com o intuito de tomar o poder. Um desses grupos era o Jovem Itália que tinha como líder Giuseppe Mazzini. O italiano foi responsável por incentivar rebeliões durante os movimentos de 1848. Entretanto, os grupos republicanos não obtiveram apoio e acabaram perdendo força.

De fato, a unificação italiana teve início após a coroação de Vítor Emanuel II como rei de Piemonte-Sardenha, em 1849. A coroação veio após o fracasso de seu pai na guerra contra os austríacos. Em seguida, em 1852, Vítor Emanuel II nomeia Camilo Benso, Conde de Cavour, como primeiro-ministro do reino. Assim, comandam juntos a unificação da Itália.

Unificação italiana

A unificação italiana, também chamada pelos italianos de Risorgimento (ressurgimento em português) começou após a coroação do rei Vítor Emanuel II e a nomeação do primeiro-ministro Camilo Benso. Assim, foi uma ação conjunta liderada pelo Reino de Piemonte-Sardenha.

Para que as ações fossem realizadas, o primeiro-ministro modernizou o reino. Em seguida, foram definidas estratégias para o enfrentamento contra a Áustria. O confronto seria necessário para que a unificação dos territórios ocorresse. Além disso, o primeiro-ministro procurou apoio com os franceses.

Unificação Italiana, o que foi? Definição, principais motivos e consequência
Itália no início do século XIX. Fonte: Diário dos Extremos

A França, disposta a ajudar nos confrontos, lutou junto aos sardo-piemonteses contra a Áustria no que ficou conhecido como Segunda Guerra de Independência Italiana, em 1859. Como resultado do conflito, o Reino de Piemonte-Sardenha saiu com a vitória. Além disso, o Reino da Lombardia foi anexado às terras dos sardo-piemonteses.

A vitória contra os austríacos impulsionou outros reinos italianos a tomarem medidas contra os governantes da Áustria. Assim, após a criação de um plebiscito, os reinos italianos também se anexaram ao território do Reino de Piemonte-Sardenha.

Por conta dos bons resultados contra os austríacos, republicanos como Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi apoiaram o rei Vitor Emanuel II durante o processo de unificação. Com isso, os territórios conquistados pelo Reino de Piemonte-Sardenha só aumentavam.

Consequências da unificação

Vitor Emanuel II ganhava cada vez mais visibilidade por conta dos territórios conquistados. Por conta disso, em 1861, ele auto se declara rei da Itália. Assim, o rei formulava estratégias para conquistar, também a região de Vêneto – aliados dos prussianos durante a Guerra Austro-prussiana.

Nesse sentido, por conta da Guerra Franco-prussiana em 1870, os Estados Pontifícios ficaram desarmados sem as tropas francesas. Pensando na situação, o rei da Itália aproveitou a oportunidade para invadir e conquistar a cidade de Roma.

Unificação Italiana, o que foi? Definição, principais motivos e consequência
Com a unificação política tardia, houve um retardamento e atraso no desenvolvimento econômico-capitalista da Itália. Fonte: Manifesto Sardo

Porém, a invasão dos Estados Pontifícios não foi aceita pela Igreja Católica. Isso porque, a figura do rei da Itália, Vítor Emanuel, não era conhecida. Por fim, a situação só foi resolvida em 1929 quando a Igreja e Benito Mussolini decidem assinar o Tratado de Latrão.

Com isso, foi criado o Estado do Vaticano. Logo, a anexação das regiões que ainda não tinham sido unificadas só aconteceu após a I Guerra Mundial, em 1919.

Você sabia?

  • O process de imigração de italianos para os Estados Unidos, Argentina e Brasil se deu, em grande parte, pelas guerras de independência na Península Itálica;
  • Ainda hoje existem diferenças econômicas entre o norte e o sul da Itália decorrentes da unificação italiana. Isso porque, a unificação foi comandada pelo norte.

Gostou da matéria? Então, o que acha de conferir o que foi a Segunda Revolução Industrial e o que é Neocolonialismo?

Fontes: História do Mundo, Toda Matéria, Brasil Escola e Escola Educação 

Fonte imagem destaque: Woorden storm

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.