Saiba como ocorreu a reforma protestante

Ação que diminuiu o poder da igreja católica e permitiu o surgimento de outras completou 500 anos

Na idade média o poder era dividido entre os reis e a igreja, no qual esta era a igreja católica que tinha a incumbência de passar o ensinamento da Bíblia à toda população. No entanto, o seu poder se equiparava ao do rei, e a quantidade de posses que tinham também. Mas, em certo momento alguém começou a desconfiar do que a igreja fazia e não concordando deu início a uma reforma, ou seja, a Reforma protestante.

Hoje a influência que a igreja católica tem nem se compara ao que era, antes da reforma protestante. Embora ainda tenham muitas posses em seu nome, na idade média o número de posses da igreja era bem maior do que o atual. Basta lembrar do texto que vimos ontem sobre a revolução francesa, que durante ela, muitos terrenos foram tirados da igreja.

Naquele período dentro da igreja haviam dois sistemas teológicos, o Tomismo e o agostiniano, que acabavam por se confrontar. Mas, o grande problema da igreja católica não era essa diferença de ideologias. Começou quando ela passou a vender bens eclesiásticos como o perdão dos pecados, para os religiosos.

Outra prática comum naquela época feita pela igreja, além da venda da indulgência do perdão de pecados, era vender um pedaço de “terra” no céu. Tais práticas fizeram diversas pessoas pensarem se aquilo estava correto e em alguns lugares o movimento de separação do estado e do clero ganhava força.

A reforma protestante que diminuiu o poder que a igreja católica tinha, surgindo diversas outras ramificações do cristianismo, completou neste ano de 2018, 500 anos.

Martin Lutero

Foto: Minha Vida Cristã/ Martin Lutero um dos grandes nomes por trás da reforma protestante, pregou 95 teses na porta da igreja de Wittemberg, convidado o clero para discutir cada uma delas com base na Bíblia.

Houveram diversos pensadores como o teólogo inglês John Wycliffer e o filóso tcheco Jan Huss, que eram contrários ao que pregava a igreja naquela época, dizendo que a igreja deveria se preocupar apenas com as questões espirituais e a política ficar apenas por conta do estado.

Embora tenhamos tido os dois como contrários ao poder que a igreja exercia, o grande nome da reforma protestante foi Martin Lutero. Inclusive o mesmo chegou a ir para o monastério, pois, segundo ele havia recebido um chamado, no entanto, ele não concordava com o que a igreja vinha fazendo.

Com a prática da venda de indulgências presenciadas por Lutero, na Universidade de Wittemberg, o professor elaborou 95 teses, e as pregou nas portas da igreja da cidade no dia 31 de outubro de 1517 chamando os representantes da igreja para discutir cada uma delas com o embasamento na Bíblia.

Os representante da igreja não apareceram para o debate, a sua resposta foi acusar o professor de heresia e convidando o mesmo para se apresentar a Roma, em 1518, no entanto, assim como a igreja recusou participar do debate, Lutero não foi a capital e manteve o seu posicionamento. E no ano de 1519 o professor e monge, afirmou em um debate que o Papa daquela época “podia errar”.

Lutero na reforma protestante

Como era monge, no ano de 1520 Lutero recebeu uma “Bula papal”, na qual pedia que o mesmo para se retratar ou seria excomungado. O movimento iniciado pelo professor apenas crescia, tanto que os estudante e professores de Wittemberg, onde Lutero ministrava as aulas se juntaram para queimar a bula papal, em praça pública.

Um ano depois de receber e queimar a bula papal, o professor reafirmou seu posicionamento  durante a Dieta de Worms, Lutero teve que se refugiar no castelo de um príncipe-eleitor em Watburg e ali mesmo ele traduziu a Bíblia para o alemão, fazendo assim com que a reforma luterana se espalhasse por todo o sacro império.

O nome protestante só foi aparecer realmente no ano de 1529, com o fim de um período conciliador entre a igreja católica e os seguidores de Lutero. Neste ano, foi apresentando também pelo auxiliar de Martín Lutero, a “Confissão de Augsburgo”, na qual a doutrina luterana foi defendida e indicou os sete erros cometidos pela igreja romana.

Apesar de não concordar com o que estava acontecendo, inclusive com guerras políticas-religiosas, a igreja católica foi obrigada a ceder, e reconhecer o luteranismo como religião oficial, em um território no qual o príncipe adotasse a prática religiosa, com o protestantismo espalhando se para Suécia, Noruega e Islândia.

João Calvino

Foto: Reformados do Século XVI/ João Calvino, para muitos o Calvinismo é o sistema teológico mais completo da reforma.

Outro grande nome da reforma protestante foi João Calvino, embora francês, o mesmo teve que buscar refúgio em Genebra, e a cidade foi o grande centro do protestantismo, preparando líderes para a Europa, abrigando refugiados.

Nesse período conhecemos uma outra vertente do protestantismo, a do Calvinismo, que por muitos estudiosos é colocado como o sistema completo da reforma, dando origem as reformas na Europa, e nas Ilhas britânicas com o surgimento das presbiterianas.

Enfim a reforma protestante conseguiu aquilo que desejava, que não vinha sendo praticado pela igreja católica na época, como valorizar as escrituras, a salvação pela graça e pela fé, sem a necessidade de obras feitas ou de comprar o perdão de seus pecados.

Fonte: Infoescola; Superinteressante; Históriaviva e Todamatéria


Comentários