História

Primavera Árabe – O que foram as revoluções políticas no mundo árabe?

A Primavera Árabe foi uma série de conflitos que aconteceram em países do Oriente Médio e do norte da África, pela busca de melhores condições de vida.

Atualizado em 26/12/2019

Uma onda de protestos e revoluções populares ocorreu no Oriente Médio e norte da África, em 2011. Esse período foi chamado de Primavera Árabe. As revoltas aconteceram como forma de reivindicação de melhoria de vida.

Os países envolvidos – Egito, Tunísia, Líbia, Síria, Iêmem, Bahrein, Jordânia, Marrocos, Omã, Argélia e Arábia Saudita – estavam vivendo crises econômicas e uma grande falta de democracia. Como consequência disso, as populações estavam sofrendo altos taxas de desemprego e encarecimento dos preços de alimentos.

As manifestações começaram na Tunísia. A luta contra a corrupção e repressão acabou por derrubar o sistema ditatorial encabeçado por Zine El Abidini Ben Ali. Dessa forma, outros países, que passavam por situações similares, se inspiraram para iniciar uma movimentação popular de cunho político pró-democracia.

Primavera Árabe em cada país

O termo “Primavera Árabe” nasceu com o significado de renovação para os países árabes. Ele fala sobre a transição do autoritarismo geral para regimes democráticos. Os países envolvidos possuem características governamentais semelhantes, no entanto, suas diferenças culturais fazem cada revolução ser muito específica.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Então, é preciso entender como aconteceu em cada lugar. Confira:

Tunísia

Os protestos na Tunísia também ficaram conhecidos como Revolução de Jasmim. A gota d’água que fez a população ir às ruas foi um caso com o vendedor de frutas, Mohamed Bouazizi. Depois de ter seus produtos confiscados, ele ateou foto no próprio corpo, deixando para trás esposa e filhos. O episódio alarmou todo o país e deu início às revoltas.

Após a deposição do ditador Ben Ali em janeiro de 2011, a Tunísia precisou reestruturar sua política. Em outubro foram realizadas as primeiras eleições parlamentares democráticas. Quem venceu foi o Partido Islâmico com Moncef Marzouki como presidente.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

O objetivo do novo governo era criar uma nova constituição. No entanto, o país continuava instável política e economicamente. E só em 2014 foi adotada uma constituição progressiva, visando eleições mais livres.

Atualmente, a Tunísia é presidida por Beji Caid Essebsi, que defende a instituição de um país laico. Apesar de já ser mais democrático, o país ainda passa por uma transição política. Portanto, melhores condições de vida ainda é razão de manifestações.

Egito

Em 11 de fevereiro, um mês após a deposição do ditador tunisiano, o Egito conseguiu que o presidente Hosni Mubarak renunciasse. O país passou por 20 anos de governo autoritário. Sendo assim, na transição política os poderes presidenciais foram transferidos para a Suprema Corte das Forças Armadas.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

As eleições de junho foram vencidas por Mohammed Morsi, do Partido da Liberdade e da Justiça. Sua primeira ação foi revogar o decreto que lhe limitava os poderes. Então, passou a construir uma Constituição islamista.Seu governo foi curto, pois em 2013, após ações repressivas, novas manifestações foram realizadas. Assim, Morsi foi deposto.

A Primavera Árabe no Egito foi intitulada Dias de Fúria, Revolução de Lótus e Revolução do Nilo. No entanto, o país segue uma instabilidade político-ideológica, por conta da divisão entre apoiadores do atual governo e a oposição.

Líbia

Os protestos na Líbia se deram contra o regime ditatorial do coronel Muammar al-Gaddafi, que estava no poder desde 1969. Além de manter um governo opressor, ele também foi acusado de reter riquezas para si próprio enquanto a população vivia na pobreza.

As manifestações não foram nada pacíficas e resultaram na Guerra Civil da Líbia. Gaddafi, por sua vez, assumiu ter controle sobre armas químicas. O que gerou pânico internacional, pois ele era visto como uma ameaça para o mundo todo.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Os conflitos armados duraram seis meses, deixando milhares de mortos, tento intervenção da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). E, em outubro de 2011, o ditador foi preso e assassinado por simpatizantes do partido opositor.

Hoje, a Líbia possui um governo central de caráter transitório endossado pela ONU. Logo, é bastante fraco. Sendo assim, o país segue dividido entre várias milícias, se mantendo em guerra civil.

Iêmen

A Primavera Árabe no Iêmen buscava o fim da ditadura de Ali Abdullah Saleh e a reforma da constituição, objetivando melhorar a economia do país. No entanto, o governo foi responsável por reprimir os manifestantes de forma violenta.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Inclusive, acordos com o grupo terrorista Al-Qaeda foram realizados. Os protestos, porém, não foram transformados em guerra civil. Isso porque Saleh se afastou de seu cargo, transferindo seus poderes para o vice-presidente Abd al-Rab Mansur al-Hadi.

Assim, o governo passaria por uma transição. Mas a democracia esperada pela população não progrediu como o esperado. E o Iêmen continua sofrendo disputas políticas e sua economia segue em colapso.

Bahrein

A tensão em Bahrein se dá pela divisão do país entre família real Sunita, que detém o poder, e a população de maioria Xiita. A revolução tinha objetivava uma maior liberdade política aos Xiitas. Porém, o governo repreendeu os revoltosos de maneira violenta.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Logo em seguida, a deposição do rei Hamad bin isa Al Khalifa começou a ser exigida. Mas uma intervenção militar da Arábia Saudita evitou a deposição da família real. Sendo assim, Bahrein segue até hoje o regime de monarquia absolutista.

Mas as revoltas também não acabaram. Muitos conflitos sangrentos ainda são realizados. Inclusive, rebeldes já tentaram atacar eventos importantes como o Grande Prêmio de Fórmula 1. Desses combates, vários pessoas saíram mortas.

Síria

Os conflitos sírios se espalharam por todo o país. A briga pelo fim do regime repressivo buscava maior liberdade política, um sistema democrático e também a deposição do presidente Bashar al-Assad.

Mas, retirar uma família que está no poder há 48 anos não é tarefa simples. O governo passou a reprimir violentamente os manifestantes. Dessa forma, iniciou-se uma guerra civil na Síria, que dura até hoje. E as conseqeências são as milhares de pessoas mortas ao longo dos anos e uma grande perda na economia.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

A população Sunita, que é maioria, tem o apoio da Arábia Saudita contra o governo autoritarista. Além disso, a comunidade internacional, juntamente com a ONU, pressiona o país para acabar com a guerra civil e com a ditadura. No entanto, o regime governamental tem o apoio da Rússia, que possui poder de veto nas decisões do Conselho de Segurança da ONU.

Sendo assim, pode-se dizer que a Primavera Árabe na Síria continua acontecendo. Uma vez que o país mantém o mesmo governante e reprime de forma brutal os manifestantes.

Marrocos

No Marrocos, as manifestações se iniciaram em fevereiro de 2011, principalmente na capital Rabat. Diferente dos outros protestos, a ideia não era depor a monarquia, mas visavam limitar os poderes do rei Mohammed VI. Para acalmar os ânimos, o monarca atendeu os desejos da população, convocou uma nova eleição parlamentar e ainda criou fundos de ajuda às famílias de baixa renda.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Grande parte dos marroquinos aceitou as mudanças. No entanto, o poder da monarquia ainda é muito forte e amplo, o que gera insatisfação. Consequentemente, protestos por uma monarquia constitucional que funcione com o primeiro-ministro comandando o Executivo continuam acontecendo.

Jordânia

Semelhantemente ao caso do Marrocos, a revolução na Jordânia não pretendia depor o rei Abdullah II. As reivindicações eram para reformar a monarquia, melhorar as condições de vida e acabar com a corrupção.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Para evitar que conflitos maiores e mais graves atingissem o país, o rei tomou algumas medidas. Em 2013, ele anunciou a realização de novas eleições e nomeou o ex-militar Maaruf Bahkit como novo primeiro ministro. Porém, o partido Irmandade Muçulmana organizou um boicote às eleições. A justificativa era fraude e compra de votos.

Dessa maneira, a Jordânia ainda passa instabilidades políticas, econômicas e sociais. Além disso, a fragilidade do país o transformou em vítima de ataques terroristas pelo Estado Islâmico.

Argélia

A Primavera Árabe na Argélia acusava o governo de corrupção, restrições à liberdade de imprensa e más condições de vida. Percebendo os protestos, o presidente Abdelaziz Bouteflika, há 12 anos no poder, realizou novas eleições e criou uma emenda com o objetivo de fortalecer a democracia.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

No entanto, o elevado número de abstenções na eleição fez com que Bouteflika seguisse governando o país. Então, ele aboliu o estado de emergência em que a Argélia se encontrava, dando maior liberdade política ao povo. Além disso, também criou estações de rádio e televisão. As medidas permitiram a redução das taxas de desemprego e melhoria na economia.

Arábia Saudita

Na Arábia Saudita, as manifestações não foram tão grandes quanto nos outros países. Uma minoria foi às ruas pedir a implantação de uma monarquia constitucional, divisão de poderes e mais direitos para as mulheres.  Os protestos foram reprimidos. Porém, atualmente, ainda são reivindicadas reformas políticas e liberdade feminina.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Omã

Por fim, em Omã a população também não pretende acabar com a monarquia. O objetivo dos protestos são por melhores condições de vida e salários, além de uma reforma no regime governamental. Sendo assim, por medo de gerar um conflito maior no país, o sultão Qaboos promoveu as primeiras eleições municipais em 2012.

Desde então, ele tenta controlar os ânimos da população concedendo favores. Mas, protestos e greves gerais continuam acontecendo no país.

Primavera Árabe - o que foram as revoluções políticas no mundo árabe

Gostou de aprender sobre o que foi a Primavera Árabe? Então, que tal descobrir sobre outros conflitos lendo Revolução Russa – O que foi, contexto histórico, causas e consequências e Apartheid: saiba o que foi e como dividiu a África do Sul entre negros e brancos.

Fontes: Politize, Guia do Estudante, Brasil Escola.

Fontes de Imagem: Duna, Exame AbrilFunci, DCM, Mundo ao Minuto, Jornal do Estado, O Globo, Wanafrica, Oriental Midia, Folha de São Paulo, Lavanguardia, Bol Notícias.