Ciências

Pesquisadores criam material que imita fotossíntese e gera energia

A partir da imitação da fotossíntese, pesquisadores defendem projeto que tornará possível gerar energia em cima do telhado

Atualizado em 10/11/2015

Um núcleo importante de pesquisadores da biologia tem focado suas atenções em entender e os mistérios da fotossíntese.

Isso porque, se ao invés de simplesmente entender, conseguíssemos controlar a fotossíntese, também seria possível controlar a liberação de oxigênio na atmosfera, além da purificação do ar. E, quem sabe, gerar energia limpa.

Recentemente, pesquisadores nos Estados Unidos descobriram um material artificial que permite imitar esse sistema para criar uma fonte limpa e sustentável de energia.

A pesquisa foi desenvolvida na Universidade Estadual da Flórida e utiliza de óxido de manganês (também conhecido como birnessita) para capturar a luz solar e, na sequência, usar a energia solar para criar uma reação de oxidação, quebrando água (H2O) em hidrogênio (H) e oxigênio (O2).

As informações da descoberta sobre uma nova forma de realizar fotossíntese são do Science Alert.

O que a fotossíntese de laboratório pode proporcionar à humanidade?

Silk-Leaf-by-Julian-Melchiorri_dezeen_01_644

É possível produzir energia de novas maneiras através de um mecanismo simples, prático. “Em teoria, isso deve ser uma fonte de energia sustentável“, disse José L. Mendoza-Cortes, professor assistente de engenharia química. “Talvez no futuro, você poderá colocar este material em seu telhado e transformar a água da chuva em energia com a ajuda do sol”, defende.

Desafios com a questão da fotossíntese artificial

Silk-Leaf-by-Julian-Melchiorri_dezeen_04_644

Nem tudo está pronto e acabado, ainda há muito trabalho pela frente. Os pesquisadores da Universidade Estadual da Florida, dizem enfrentar dois desafios iniciais com a questão da fotossíntese: 1) encontrar um material que não enferruje quando exposto à água; 2) e esse material não pode ser muito caro, pois isso inviabilizaria a produção em escala.

De acordo om o professor Mendoza-Cortes, em seu artigo publicado no The Journal of Physical Chemistry – um dos objetivos é desenvolver um material de múltiplas camadas de óxido de manganês, pois a camada única do manganês fornece o que é chamado um gap direto, ao passo que várias camadas constituiu um gap indireto.

A luz penetra de forma diferente em cada material, mas sua energia só é efetivamente capturada e armazenada por materiais classificados como gap direto.

Fonte: Science Alert.