Ciências

Forma de vida estranha encontrada dentro de cristais gigantes em caverna

Atualizado em 20/02/2017

Micróbios estranhos foram encontrados dentro de cristais maciços na mina de Naica, no México. Os pesquisadores suspeitam que eles estiveram vivendo lá por até 50.000 anos.

As criaturas estavam adormecidas a milhares de anos e agora os cientistas conseguiram extrai-las e acorda-las.

“Esses organismos são tão incríveis”, disse a astrobióloga Penelope Boston, diretora do Instituto de Astrobiologia da NASA, na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) em Boston.

Como você pode ver na imagem a baixo, a caverna de cristais na mina Naica, no México, é incrivelmente bonita, mas sua beleza esconde um ambiente incrivelmente inóspito, com temperaturas variando de 45 a 65 ºC, níveis de umidade chegando próximos a 99%, além da incrível acidez, tudo isso confinado à 300 metros de profundida na Terra.

Cristais de caverna
Peter Williams / Flickr

Pesquisadores já encontraram vida dentro das paredes da caverna e perto dos cristais – uma expedição de 2013 a Naica relatou a descoberta de criaturas prosperando nas fontes quentes e salinas no complexo sistema de cavernas.

Mas quando Boston e sua equipe extraíram o líquido das minúsculas lacunas dentro dos cristais e os enviaram para serem analisados, perceberam que não só havia vida dentro, mas que era diferente de tudo o que eles tinham visto no registro científico.

O que talvez seja mais extraordinário sobre a descoberta é que os pesquisadores foram capazes de “reviver” alguns dos micróbios e cultiva-los em culturas no laboratório.

“Para minha surpresa, temos alguns para crescer”, disse Boston a Sarah Knapton no The Telegraph . “Foi trabalhoso, perdemos alguns deles, eles têm necessidades que não podemos suprir”.

A equipe ainda precisa provar e convencer outros cientistas

“Nesse ponto, devemos deixar claro que a descoberta ainda não foi publicada em um periódico revisado, de modo que até que outros cientistas tenham a oportunidade de examinar a metodologia e os achados, não podemos considerar a descoberta definitiva ainda.”

A equipe também precisará convencer a comunidade científica de que os resultados não são o resultado de contaminação – estes micróbios são invisíveis a olho nu, o que significa que é possível que eles se ligaram ao equipamento de perfuração e fez parecer que vieram de dentro dos cristais.

“Em defesa”, Boston e sua equipe dizem que tomaram todas as precauções para se certificar de que seu equipamento foi esterilizado, e cita o fato de que as criaturas que encontraram dentro dos cristais eram semelhantes, mas não idênticos aos que vivem em outra parte da caverna, como evidência para apoiar suas afirmações.

 

Artigo originalmente posta pela Science Alert.
Crédito da imagem da capa: Alexander Van Driessche / Wikipedia.