Outros assuntos

Desemprego, o que é? Definição, taxa de desemprego, fatores e tipos

O desemprego é caracterizado como a parcela da população que não possui vínculo empregatício ou que esteja à procura de emprego.

Atualizado em 08/07/2020

Parece estranho perguntar, mas você sabe o que é o desemprego? A pergunta parece simplória, mas, na verdade, o desemprego implica em diversos fatores e índices que precisam ser levados em consideração para classificar uma população como desempregada, ou não. De forma geral, o desemprego está ligado à saúde econômica de um país.

Para mensurar o número de desempregados, são utilizados diversos termos e análises. Primeiramente, só fazem parte dos índices de desemprego as pessoas pertencentes à População em Idade Ativa (PIA). Ou seja, a PIA engloba todos os indivíduos que estão aptos a exercer atividades trabalhistas.

Quando se fala em desemprego, significa que a economia está superaquecida. Ou seja, existe mais produção do que pessoas consumindo. Sem consumidores, o nível de produção cai e, consequentemente, as empresas limitam o número de empregados.

Além disso, existem outros fatores que afetam os índices de desempregados. Como exemplo temos o salário mínimo, a produtividade no trabalho, o seguro desemprego e mudanças demográficas.

Vamos entender o que representam os índices de classificação do desemprego!

Indicadores do desemprego

Como vimos, só entram no grupo de pessoas desempregadas aquelas que fazem parte da População em Idade Ativa (PIA). Em síntese, a PIA se divide em dois grupos: a População não Economicamente Ativa (PNEA) e a População Economicamente Ativa (PEA). Dentro do grupo da PIA se encontram as pessoas que não trabalham por motivos de deficiência, que não conseguem emprego ou que não desejam trabalhar.

Desemprego, o que é? Definição, taxa de desemprego, fatores e tipos
Amigos de Pelotas

Já o grupo PEA é composto por indivíduos que exercem funções trabalhistas, seja trabalhando para si ou para terceiros. Além disso, dentro da classificação das Pessoas Economicamente Ativas, podemos dividir a população em População Ocupada (PO) e População Desocupada (PD).

O que difere os dois grupos é simples. Enquanto a PO é composta por trabalhadores com carteira assinada, ou seja, que possuem vínculos trabalhísticos, a PD é o grupo de pessoas que estão dispostas a encontrar um emprego.

Vale ressaltar que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), só se considera uma pessoa como desempregada, aquela que procurou emprego quatro semanas antes das entrevistas. Assim, as pessoas que estão procurando emprego a mais de um mês entram no grupo da PNEA, ou seja, População Não Economicamente Ativa.

Taxa de desemprego

A taxa de desemprego, também chamada de taxa de desocupação, é dada pela porcentagem entre a PD e a PEA. Ou seja, enquanto a quantidade de empregos for maior, menor será a taxa de pessoas desocupadas. Por outro lado, caso haja falta de disponibilidade de vagas de emprego, maior será a taxa de desempregados. Em ambos os casos, a relação entre empregados e desempregados depende essencialmente dos empregadores e potenciais empregadores.

Ou seja, as pessoas desempregadas só assumem essa posição quando são demitidas ou pedem demissão. Já as pessoas empregadas ocupam essa posição a partir da contratação dos empregadores. Porém, para que uma vaga de uma determinada empresa seja preenchida, vários pontos são levados em consideração.

Desemprego, o que é? Definição, taxa de desemprego, fatores e tipos
Taxa de desemprego no Brasil de acordo com o IBGE.

Quando uma empresa disponibiliza uma vaga de emprego, inicia-se o período de busca. Em seguida, são realizadas entrevistas com os potenciais candidatos que possam preencher a vaga. De todas as formas, pode ser um processo curto, médio ou longo. Da mesma maneira, pessoas que estão desempregadas não aceitam a primeira vaga de emprego que surge, ainda mais dependendo das qualificações.

Visto isso, a taxa de desemprego aumenta quando o fluxo de demissões em uma empresa aumenta. Por outro lado, caso o fluxo de contratações seja maior, consequentemente, a taxa de desemprego será menor. Assim, quando os índices de demissões e contratações se mantiverem iguais, a taxa de desemprego se mantém estável. De acordo com IBGE, no último trimestre, o índice de desemprego atingiu 11, 2%, ou seja, 11,9 milhões de pessoas sem emprego.

Principais fatores e ciclo econômico

Nesse sentido, são analisados vários pontos, como o ambiente de trabalho, o salário oferecido, as condições propostas, etc. Dessa forma, enquanto as empresas estão procurando profissionais capacitados para assumir a vaga, os desempregados também procuram vagas que sejam atrativas e forneçam vantagens. A situação acarreta em algo bastante comum: quando há vagas de emprego e, mesmo assim, o índice de desempregados é alto.

Isso ocorre porque as empresas não contratam qualquer pessoa para assumir a vaga e, da mesma forma, os desempregados não aceitam qualquer vaga que surge. Além disso, pode acontecer que as informações entre empregador e desempregado não se cruze. Ou seja, a empresa pode não saber sobre um potencial candidato, como o candidato (desempregado) pode não ter conhecimento sobre a vaga oferecida.

Desemprego, o que é? Definição, taxa de desemprego, fatores e tipos
Diário Oficial

Dessa maneira, a taxa de desemprego está diretamente relacionada com as atividades econômicas de um país. Ou seja, quando o Produto Interno Bruto (PIB) está em alta, as empresas produzem mais e, consequentemente, contratam mais empregados. Assim, a taxa de desempregados diminui porque as empresas oferecem mais oportunidades para atender a grande demanda de produção.

Por outro lado, quando o PIB está baixo, ou seja, em períodos de recessão, as empresas não produzem muito e o número de empregados diminui. Com isso, o índice de desempregados aumenta. Mesmo quando o PIB volta a crescer, as empresas demoram um pouco para se estabilizar. Logo, apesar do aumento do PIB, a taxa de desemprego pode permanecer por algum tempo.

Tipos de desemprego

O desemprego pode ser dividido em quatro esferas diferentes. Ou seja, existe o desemprego cíclico, estacional, friccional e estrutural. Confira a diferente entre cada um:

  • Desemprego cíclico – caracterizado como o desemprego em tempos de resseção, ou seja, quando há crises financeiras. Geralmente, esse tipo de desemprego ocorre quando o PIB entra em recessão e as empresas não disponibilizam vagas de emprego ou fazem demissão do quadro de funcionários. A partir do crescimento da economia, este quadro de desemprego tende a sofrer melhoras;
  • Desemprego estacional – também chamado de sazonal, é o tipo de desemprego que ocorre quando há variações constantes na demanda de oferta e procura. Um exemplo para este tipo de desemprego são os trabalhos na agricultura. Isso porque, principalmente cortadores de cana-de-açúcar, dependem do ciclo de produção. Assim, quando não há colheita, não há trabalho;
  • Desemprego friccional – representa o não acordo entre o empregado e o empregador. Ou seja, as vagas de emprego podem estar disponíveis, mas as condições de trabalham não satisfazem os desempregados, ou vice-versa. Ainda entram nessa categoria, as pessoas que foram demitidas ou que estejam em transição de trabalho para outro melhor. Por conta disso, também é chamado de desemprego de transição ou de mobilidade;
  • Desemprego estrutural – corresponde ao tipo mais grave de desocupação. Isso porque, está relacionado à falta de emprego gerada por mudanças tecnológicas ou mudança nos meios de produção por parte da demanda de padrões de consumo. Além disso, em grande parte das vezes, a quantidade de empregos disponíveis não entende à população desempregada.

Controlando a taxa de desocupação

É importante lembrar que a questão do desemprego assola tantos os países desenvolvidos, como os que estão em desenvolvimento. Entretanto, a taxa de desocupação, provoca mais efeitos em países que possuem índices econômicos baixos e, consequentemente, maior número de pessoas passando por dificuldades.

Desemprego, o que é? Definição, taxa de desemprego, fatores e tipos
Economia UOL

Na Europa, por exemplo, para tentar controlar a taxa de desocupação, os governos de alguns países adotaram algumas medidas. Dentre elas está a redução da carga horária de trabalho, melhores condições trabalhistas e a redução do teto do salário mínimo. Com todas as medidas, novos postos de trabalho podem ser criados e, assim, diminuir a taxa de desemprego.

O que achou da matéria? Se gostou, confira também o que é Epistemologia e o que representa o Antifascismo.

Fontes: Por que, Alunos Online, Brasil Escola, Brasil Escola e Conceito

Imagens: Exame, Amigos de Pelotas, Costa Leste News Tribuna do Planalto e Economia UOL

Por <a href='https://conhecimentocientifico.r7.com/author/dayane/' rel='dofollow' class='dim-on-hover'>Dayane Borges</a>
Por Dayane Borges
Jornalista e redatora com experiência em escrita criativa, adequação e produção de conteúdos multimídia para a web.