História

Crise dos Mísseis: conheça o momento mais tenso da Guerra Fria

A Crise dos Mísseis deixou o mundo apavorado com a proximidade que se chegou de um confronto nuclear, pois todos sabiam que seria o fim da humanidade.

Atualizado em 31/12/2019

A Crise dos Mísseis de Cuba (ou Crise de Outubro ou Crise do Caribe) foi um incidente ocorrido entre 16 e 28 outubro de 1962 entre os Estados Unidos e a União Soviética.

O estopim do episódio foi a implantação de mísseis balísticos soviéticos em Cuba, uma vez que ficava muito próximo à costa americana.

Como foi transmitida ao vivo pela televisão, deixou o mundo em pânico e todos temendo por um confronto entre as potências. Na verdade, é considerado o momento mais próximo que se chegou de uma guerra nuclear.

A Crise dos Mísseis foi o momento mais tenso da Guerra Fria

Contexto Histórico

Após o término da Segundo Guerra Mundial, Estados Unidos e União Soviética se tornaram superpotências nucleares.

De ideologias opostas, iniciaram a chamada Guerra Fria, em que dividiram o mundo em dois blocos distintos. Os Estados Unidos defendiam o capitalismo, ao passo que a União Soviética pregava o socialismo.

Os dois mantinham uma guerra no campo ideológico e buscavam trazer para o seu lado cada vez mais países. Queriam aumentar a poderio militar e econômico, embora jamais tenham se enfrentado diretamente.

Em 1960, a Revolução Cubana depôs os aliados dos Estados Unidos e Fidel Castro abraçou o socialismo soviético. Em reposta foi decretado um embargo econômico aos artigos cubanos, visando sufocar a economia.

A Crise dos Mísseis foi o momento mais tenso da Guerra Fria

Os mísseis em Cuba desencadearam a crise

De forma secreta, em 1961, os Estados unidos instalaram mísseis nucleares na Itália e na Turquia, todos capazes de alcançar Moscou. Só que a espionagem soviética descobriu e foi preparado um contra-ataque.

A União Soviética, também secretamente, conseguiu construir bases de lançamentos de mísseis na região cubana de São Cristóvão (1962). Até ogivas nucleares já estavam montadas no local, próximo às rampas de lançamento de mísseis.

John Kennedy era presidente dos Estados Unidos, enquanto que Nikita Kruschev era o Primeiro-ministro da União Soviética. Foi então avisado que não seriam admitidos mísseis nucleares a 150 quilômetros da costa americana.

Kennedy avisou Khruschev que lançaria um ataque com armas nucleares contra Cuba, caso os mísseis não fossem desinstalados.

O Sábado Negro prenunciou o fim do mundo

Era de conhecimento mundial que, caso as duas superpotências se enfrentassem, a raça humana se extinguiria. Não haveria como sobreviver num mundo devastado por explosões nucleares.

O prenúncio da tragédia ocorreu no chamado Sábado Negro, quando a artilharia antiaérea de Cuba abateu um avião americano (27 de outubro). Durante exatos 13 dias o mundo aguardou em suspense a guerra nuclear, até que os soviéticos recuaram.

A Crise dos Mísseis foi o momento mais tenso da Guerra Fria

Os representantes dos dois países sentaram à mesa de negociações e um acordo finalmente saiu.

Kruschev se comprometeu a desmontar e retirar as ogivas nucleares de Cuba, desde que os Estados Unidos não a invadissem. Também houve a concordância americana de desmontar suas bases de lançamentos de mísseis na Itália e Turquia. Era o fim da crise.

As consequências do incidente

A Crise dos Mísseis levou o mundo a repensar a corrida armamentista e manifestações pelo desarmamento apareceram.

Pressionados, Estados Unidos e União Soviética assinaram um tratado que só admitia testes nucleares subterrâneos (1963).

Em 1968, Estados Unidos, União Soviética e mais 58 países assinaram um tratado de não-proliferação de armas nucleares. Dessa forma, quem já tinha armas nucleares deveria diminuir seu arsenal. Os países que não haviam desenvolvido tais armas, ficariam proibidos de obtê-las.

Achou legal conhecer o tenso incidente chamado Crise dos Mísseis? Pois então leia também uma matéria bem curiosa sobre como a Guerra Fria dividiu o mundo em dois lados opostos.

Fonte: Info Escola, Toda Matéria, Mundo Educação, História do Mundo, Brasil Escola, Seu History, DW, BBC.