Conheça o “pai de todas as bombas”, a arma russa que é 4 vezes mais poderosa que a usada pelos EUA no Afeganistão

No dia 13 de abril os Estados Unidos lançaram no Afeganistão a MOAB GBU-43 – sendo MOAB as siglas para Massive Ordnance Air Blast (bomba de ar de artilharia massiva) e, ao mesmo tempo, para Mother of All Bombs (Mãe de todas as bombas). Logo após a impressa internacional divulgar o acontecimento, o site de noticias russo RT ( Russia Today) fez uma matéria no minimo provocativa.

“Crianças, conheçam o papai”

O site de noticias RT relembrou que 10 anos atrás a Russia já havia divulgado publicamente a existência de uma bomba que, para efeito de comparação, é no minimo 4 vezes mais pontante que a celebre “mãe de todas as bombas”.

O artefato russo é uma Bomba Termobárica de Aviação de Poder Aumentado (AVBPM, na sigla russa), e foi apresentada pela primeira vez em 2007. Até o momento não se tem nenhuma informação que confirme a utilização dessa bomba em uma situação de combate.

A bomba russa pesa 7,1 toneladas, enquanto que a GBU-43 lançada pelos EUA sobre uma base do Estado Islâmico no Afeganistão em abril, matando 36 combatentes do grupo extremista, tem 10 toneladas.

Mas a carga explosiva da russa seria de 44 toneladas de TNT, contra 11 toneladas da MOAB, segundo o canal russo. Além disso, o AVBPM atinge um raio de 300 metros, o dobro da americana.

As informações são escassas, o único registro do poder bélico do “pai de todas as bombas” é um vídeo apresentado pela emissora estatal russa Channel 1, em setembro de 2007. Confira o vídeo:

Ao apresentar o artefato em setembro de 2007, o vice-chefe do gabinete militar russo, Aleksandr Rukshin, disse que a arma “tem potência e eficácia comparáveis às de uma bomba atômica”.

Embora o seu efeito seja comparado ao de uma bomba nuclear, ela é equivalente a apenas 0,3% do poder da bomba atômica usada contra Hiroshima, com a “vantagem” adicional de não contaminar o meio ambiente.

A americana MOAB/ AFP/FORÇA AÉREA EUA

 

Fonte: BBC e Wikipedia.
Imagens: Reprodução.


Comentários