Alemanha acaba de ligar o maior sol artificial do mundo

Cientistas alemães criaram a maior coleção de projetores industrias de filmes. O projeto é ambicioso, e busca desenvolver fontes eficientes e renováveis  de energia .

O Synlight, o “maior sol artificial” do mundo, está instalado em Jülich, uma cidade localizada a 30 quilômetro a oeste de Cologne, e foi projetado por cientistas do German Aerospace Cente (DLR).

O dispositivo possui 149 projetores industriais de filmes, e cada um possui aproximadamente 4.000 vezes a potência de uma lâmpada comum. Quando este sol artificial é ligado, gera luz que é 10.000 vezes mais intensa do que a luz solar natural na Terra.

Posicionando as lâmpadas e concentrando-as em um ponto é possivel produzir temperaturas próximas a 3.500 graus Celsius, que é três vezes mais quente que o calor gerado por um forno de fundição.

German Aerospace Cente

Que se faça a luz!

Todos os dias, uma enorme quantidade de energia atinge a Terra sob a forma de luz solar. Nós já temos maneiras de aproveitar essa energia que vem do Sol, por meio de painéis solares, mas grande parte dela ainda não é aproveitada.

Os cientistas esperam que seus experimentos com o Synlight revelem maneiras de explorar essa energia desperdiçada.

Este sol artificial consome uma grande quantidade de energia quando ligado, uma operação de quatro horas consome tanta eletricidade como uma casa de quatro pessoas usaria em um ano, por isso é caro.

Energia eficiente e limpa

Mas tudo isso valerá a pena se o experimento Synlight ajudar a desenvolvermos uma energia mais eficiente e limpa para o futuro.

O primeiro objetivo é determinar a configuração ideal necessária para usar a luz solar para alimentar uma reação que produz combustível de hidrogênio, que é uma fonte potencial de combustível limpo para carros e aviões no futuro.

No futuro, a instalação pode ser usada para testar a durabilidade de peças de espaçonaves quando expostas à radiação solar, dessa forma, o Synlight além de nos ajudar a lidar com a crise de energia aqui na Terra, poderia também nos ajudar a explorar outros mundos.

 

Este artigo foi publicado originalmente em ingês por Futurism.
Imagens: German Aerospace Cente.


Comentários