Pais deveriam dar bebidas alcoólicas aos filhos, diz estudo

Crianças e adolescentes que bebem com seus pais são duas vezes mais inclinados a beber bebidas alcoólicas por volta dos 15 ou 16 anos, mas são muito menos predispostos a beber em excesso, segundo um estudo da Universidade de Nova Gales do Sul.

O estudo de quatro anos, com quase 2.000 crianças e seus pais, descobriu que os adolescentes, cujo os pais apresentaram e consumiram bebidas alcoólicas juntos, tinham duas vezes mais inclinação em continuar consumindo álcool, no ano seguinte à “iniciação”.

Porém, os adolescentes que começaram a consumir álcool de outras fontes, sem ser seus pais, eram três vezes mais predispostos a serem alcoólatras. Além de serem menos propensos a desenvolverem compulsão alimentar, os adolescentes que começaram a consumir álcool com seus pais também bebem menos, em qualquer ocasião, comparados com os que começaram a beber com amigos, e outras fontes.

Modelo europeu

O estudo foi motivado pelo interesse no conhecido como o “modelo europeu” de introdução de crianças ao álcool – onde as crianças são apresentadas por seus pais ao álcool desde a mais tenra idade.

Richard Mattick é um dos principais autores do estudo publicado na revista britânica Psychological Medicine. Ele diz que algumas pessoas acreditam que o modelo europeu é mais prejudicial que “protetor”. “Há uma linha de pesquisa indicando que o cérebro adolescente ainda está se desenvolvendo no início dos 20 anos, e o álcool pode interferir com o desenvolvimento”, diz Mattick.

“Mas também sabemos que os pais querem fazer a coisa certa por seus filhos, e tem havido evidências informais de que as crianças introduzidas ao álcool por seus pais, como é comum em algumas culturas europeias, podem ser menos propensos a desenvolver problemas com álcool”.

No entanto, visto que os adolescentes que foram apresentados ao álcool por seus pais tinham duas vezes mais inclinação à continuar consumindo mais álcool, nos anos seguintes, mesmo com as melhores das intenções, os pais aumentaram as chances de seus filhos terem futuros danos potencias, causados pelo consumo de álcool prolongado.

“Pode haver danos mais tarde que ainda não são óbvios, e estamos cientes de que o início precoce de beber está fortemente associada com problemas posteriores de uso de álcool na idade adulta – atraso é a melhor estratégia.”

Fonte: Medicalxpress.
Imagem: Universidade de Nova Gales do Sul.


Comentários