Lesões cerebrais podem estar ligadas ao fundamentalismo religioso, revela estudo

Neurologistas identificaram lesões cerebrais que poderiam estar ligadas ao fundamentalismo religioso. O novo estudo descobriu que aqueles com danos em uma parte do cérebro associada ao planejamento tornam-se menos abertos a novas idéias, explicando por que algumas pessoas são mais propensas a se tornarem extremas em suas crenças religiosas.

Conduzido pelo neurologista Jordan Grafman da Northwestern University em Illinois, o estudo explorou  um conjunto de dados conhecido como  Vietnam Head Injury Study (VHIS).

Na foto o neurologista Jordan Grafman. Créditos: Kessler Foundation

No final da década de 1960, durante a Guerra do Vietnã, o neurologista William Caveness criou um registro de aproximadamente 2.000 soldados que haviam sofrido traumatismo craniano durante a guerra.

As informações detalhadas recolhidas pela equipe são inestimáveis – não apenas para Caveness, mas para outros pesquisadores como Grafman.

Como resultado do tratamento médico rápido que muitos dos feridos receberam, vários soldados sobreviveram aos seus ferimentos e voltaram para casa, onde os investigadores continuaram a acompanhar a sua saúde e bem-estar.

Décadas depois, Grafman ainda está fazendo descobertas interessantes sobre o funcionamento do cérebro após traumatismos e lesões.

O estudo

Nesta última pesquisa, ele e seus colegas levaram a pesquisa um passo adiante examinando os registros de 119 veteranos do Vietnã que haviam sofrido uma lesão penetrante na cabeça e comparando-os com os registros de 30 veteranos sem lesões cerebrais.

Os testes realizados no grupo durante uma fase relativamente recente do VHIS incluíram uma escala de fundamentalismo religioso – uma medida padronizada que exige que os participantes respondam a declarações como “Para levar uma vida melhor e mais significativa, deve-se pertencer à religião verdadeira .”

Os testes também envolviam uma medida de inteligência geral do veterano e sua flexibilidade cognitiva.

Grafman e sua equipe usaram tomografias computadorizadas para mapear a posição e o tamanho das lesões cerebrais deixadas pelos ferimentos dos veteranos.

Os pesquisadores se concentraram naqueles veteranos com danos no córtex pré-frontal dorsolateral, que já era conhecido por ter um papel cognitivo nas experiências espirituais, além de desempenhar um papel na resolução de problemas, planejamento e gerenciamento de tarefas.

O neurologista notou uma maior incidência de pessoas com baixa flexibilidade cognitiva e com alta religiosidade, sugerindo que essas áreas cerebrais podem desempenhar um papel importante na escolha de nossas crenças – inclusive na não aceitação de outras vertentes religiosas.

Cautela

É necessário considerar algumas variáveis secundárias em estudos únicos como estes; Por exemplo, os sujeitos eram todos mais velhos, homens americanos que tinham experimentado não apenas o trauma físico, mas o trauma psicológico da guerra.

“Precisamos entender como as crenças religiosas são distintas das crenças morais, legais, políticas e econômicas em suas representações no cérebro e a natureza da conversão de um sistema de crenças para outro” disse Grafman Eric W. Dolan.

A ideologia religiosa extrema é uma questão política divisiva no mundo de hoje, e parece que não mudará no futuro.

 

Fonte: Science Alert / Mega Curioso
Imagens: Reprodução

 


Comentários