Cientistas japoneses filmaram lula gigante nas profundezas do mar

Cientistas disseram  ter capturado imagens de uma lula gigante indescritível vagando pelas profundezas do Oceano Pacífico, mostrando-a em seu habitat natural pela primeira vez.

O Museu Nacional de Ciência do Japão conseguiu filmar a criatura a mais de meio quilometro de profundidade. O invertebrado gigante está presente em várias lendas, com marinheiros relatando avistamentos da enorme besta oceânica durante os séculos.

A criatura é provavelmente a origem da lenda nórdica do Kraken, um monstro do mar que atacava navios nas águas fora da Escandinávia ao longo do último milênio.

Os cientistas usaram um submersível para descer às profundezas escuras e frias do norte do Oceano Pacífico, onde a cerca de 630 metros conseguiram filmar um espécime de três metros.

Depois de mais de 100 missões, durante as quais passaram 400 horas no apertado submarino, a tripulação de três homens rastreou a criatura a cerca de 15 quilômetros a leste da ilha de Chichi, no Pacífico Norte.

O pesquisador do museu Tsunemi Kubodera disse que seguiu o enorme molusco a uma profundidade de 900 metros, enquanto nadava para o abismo oceânico. Para Kubodera foi o fim de uma longa busca pela besta.

Kubodera disse que a criatura não tinha seus dois braços mais longos, e estimou que ela teria oito metros de comprimentos. Ele não deu nenhuma explicação para a ausência dos braços.

Ele disse também que foi a primeira filmagem de uma lula gigante viva em seu habitat natural – as profundezas do mar onde há pouco oxigênio e o peso da água acima exerce enorme pressão.

 

Fonte: Phys.org.
Imagens:  NHK e Discovery Channel.


Comentários