Especialista em reconstrução facial revela como Jesus Cristo REALMENTE era

Sem dúvidas, um dos nomes mais influentes na história da civilização moderna é o de Jesus Cristo. No entanto, enquanto muitos debatem sobre sua existência, ações e relevância, poucos têm pensado em questionar como realmente era sua aparência.

A imagem tradicional que a maioria de nós tem de Jesus é derivada de várias obras de arte famosas, incluindo a de Leonardo da Vinci, A Última Ceia e Cristo Crucificado de Diego Velazquez. Como conseqüência, ele é muitas vezes retratado como alto e de pele clara, com cabelos longos e finos. No entanto, a realidade é que os homens da região da Galileia – agora o norte de Israel – na época que é relatado que Jesus viveu, nunca teriam teriam essa aparência.

Crédito: Toby Hudson via Wikimedia Commons

Para ajudar a esclarecer o mistério de como ele poderia ter parecido, em 2002, um especialista em reconstrução facial forense e ex-artista da Universidade de Manchester, chamado Richard Neave, recriou o rosto de um morador típico da região natal de Jesus no século I (um) d.C.

Tecnologia e História

Trabalhando com arqueólogos israelenses, Neave obteve três crânios de homens da Galileia que foram encontrados em uma região ao redor de Jerusalém. Ele então usou a tomografia computadorizada para criar imagens em 3D desses crânios, a fim de revelar suas estruturas completas. Isso permitiu que um programa de computador gerasse imagens de como os rostos realmente eram.

Neave, com essas informações em mãos, foi capaz de construir um modelo em 3D de um típico rosto de um homem da região e do tempo de Jesus. Foram então adicionadas camadas de argila, de acordo com as informações precisas fornecidas por um programa de computador concebido para determinar a espessura do tecido mole em certos pontos das faces humanas.

 

Com um modelo de como o rosto de Jesus poderia se parecer, Neave e sua equipe tiveram que confiar em desenhos antigos encontrados em sítios arqueológicos em toda a região, a fim de estimar a aparência de seus cabelos, olhos e tom de pele. A imagem final pode ser vista no Tweet acima.

Naturalmente, essa retratação não deve ser considerada como um modelo histórico definitivo de como Jesus se parecia, mas simplesmente representa uma descrição precisa de como ele poderia ser.

Artigo originalmente publicado em IFLSicence (em Inglês).
Imagens:Twitter/NAIJ.


Comentários