Conheça o cientista que tenta encontrar o DNA de Jesus

Em 2010, Kasimir Popkonstantinov, um arqueólogo búlgaro, fez o achado mais importante de sua carreira, ele descobriu o que acredita ser os ossos de um dos mais famosos de todos os santos: João Batista.

Popkonstantinov fez sua descoberta ao escavar uma igreja do século VI , construída sobre uma basílica do século passado.

Escavando cuidadosamente a lama onde o altar teria sido construído, ele se deparou com uma laje de pedra e ficou surpreso ao encontrar uma pequena caixa de mármore embaixo. Ele imediatamente soube o que era.

Para que uma igreja fosse consagrada nesta parte da Europa no século V, ela precisava ter uma relíquia de um santo ou de uma pessoa religiosa. Esta caixa, conhecida como um relicário, guardava a tal relíquia.

Ele continuou a cavar na área e encontrou outra caixa menor. Na borda da caixa havia uma inscrição: “Que Deus o salve, servo Tomé. A São João”.

Cidade velha de Jerusalem. De Stock: Busby de George

Quando Kasimir abriu o relicário, encontrou cinco fragmentos de ossos. O epitáfio na caixa menor, provavelmente usada para transportar os ossos durante a viagem, foi a a maior evidência que o levou a acreditar que os ossos talvez pudessem ser de João Batista.

A descoberta é extremamente importante, em parte porque João Batista foi um discípulo de Jesus e seu primo, o que significa que eles compartilhavam do mesmo DNA.

O que o DNA pode dizer

Se encontrarmos outras relíquias supostamente de João Batista, ou um parente próximo como Jesus, então poderíamos usar a genética para compara-las para saber se elas vieram da mesma pessoa ou de pessoas relacionadas.

Por exemplo, pesquisas recentes identificaram o DNA de várias pessoas no Sudário de Turim , que é um pedaço de pano que alguns acreditam ter coberto Jesus quando ele foi tirado da cruz.

Em Jerusalém, um cientistas está fazendo o sequenciamento genético do material encontrado no Ossário de James , uma caixa de giz do primeiro século que pode ter guardado os ossos do irmão de Jesus.

Material do Ossuary de James. Imagem: Wikipédia em inglês

 

Vamos supor por um momento que a contaminação poderia ser completamente descartada e que uma análise revelasse que o DNA do Sudário de Turim têm uma relação familiar com o DNA do Ossário de James – e que ambos estão relacionados com os ossos encontrados pelo búlgaro Kasimir.

Poderia ter sido o DNA de Jesus e sua família? Para responder a isso, tudo que você precisa ter é um pouco de crença.

 

Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation. Leia o artigo original (em inglês).


Comentários